Índice deste artigo
Imprimir este Índice

Louis Armstrong 

Photograph
Louis Armstrong
AP
Projetos na Área de Pesquisa

O trompetista e cantor Louis Armstrong foi um dos maiores músicos de jazz do mundo. Ajudou a elevar esse estilo musical à categoria de grande arte e influenciou praticamente todos os instrumentistas de sopros do jazz que vieram depois dele.

O trompetista e cantor Louis Armstrong foi um dos maiores músicos de jazz do mundo. Ajudou a elevar esse estilo musical à categoria de grande arte e influenciou praticamente todos os instrumentistas de sopros do jazz que vieram depois dele.

Louis Daniel Armstrong nasceu em 4 de agosto de 1901, em Nova Orleans, no estado da Louisiana, nos Estados Unidos. Quando criança, cantava nas ruas em troca de moedas. Depois de disparar um revólver para se divertir numa noite de Ano-Novo, foi mandado para um reformatório em 1913. Ali, Louis aprendeu a tocar cornetim na banda da instituição.

Armstrong teve sua primeira grande oportunidade em 1922, quando o cornetinista King Oliver convidou-o para fazer parte da sua banda, em Chicago. Mais tarde, Armstrong tocou durante um ano na orquestra de jazz de Fletcher Henderson, em Nova York, e sua música ultrapassou as fronteiras do estilo tradicional de Nova Orleans.

Quando retornou a Chicago, Louis Armstrong criou suas obras mais importantes do período de juventude: as gravações com os grupos Hot Five e Hot Seven. A essa altura, ele tocava trompete. Em 1929, já era famoso e fez turnês pela América e pela Europa como solista, acompanhado por grandes bandas. Começou a tocar canções populares, além dos números de jazz. Começou também a cantar, com a voz grave e rouca que se tornaria sua marca registrada.

A partir de 1935, Louis Armstrong começou a aparecer em filmes, no rádio e na televisão. Em 1940, formou a Louis Armstrong All-Stars, uma banda do estilo antigo de jazz chamado dixieland, com seis músicos. Durante a maior parte do resto da vida, viajou pelo mundo com esse grupo. Produziu gravações de grande sucesso, como “Mack the Knife” e “Hello, Dolly!”, e vários álbuns extraordinários. Morreu em 6 de julho de 1971, em Nova York.