antigo Egito 

Photograph
As pirâmides de Gizé, no Egito. No grupo está a Grande Pirâmide, a …
© sculpies/Fotolia
Photograph
Pintura egípcia num túmulo do 1450 a.C. que mostra um funcionário (à …
NOAA Central Library
Photograph
Nefertiti foi rainha do Egito antigo de 1353 a 1336 a.C. No Museu Egípcio de Berlim, um …
Bildarchiv Preussischer Kulturbesitz, Ägyptisches Museum, Staatliche Museen zu Berlin/Preussischer Kulturbesitz, Berlin; photograph, Jurgen Liepe
Photograph
Estatueta egípcia com harpa, em madeira pintada, do período do Novo Império; …
Courtesy of the trustees of the British Museum, London; photograph, J.R. Freeman & Co. Ltd.
Photograph
Dança egípcia, detalhe de uma pintura num túmulo de aproximadamente o1400 a.C. …
Courtesy of the trustees of the British Museum
Photograph
Uma boneca egípcia de madeira pintada, do 2000 a.C.
Courtesy of the trustees of the British Museum
Photograph
Sarcófago decorado e múmia de uma princesa do antigo Egito. No Museu …
© Photos.com/Jupiterimages
Photograph
Detalhe da pintura mural de um túmulo de Tebas, no Egito, de cerca de 1450 a.C., exposto no …
Courtesy of the trustees of the British Museum
Photograph
Pintura mural do deus dos mortos Anubis (representado com a cabeça de um chacal), no Vale …
C.M. Dixon—Heritage-Images/Imagestate
Photograph
O pavilhão romano de Trajano (à esquerda) e o Templo de Filae, construídos a …
© Jeff Schultes/Fotolia
Projetos na Área de Pesquisa

Há cerca de 5 mil anos, começou no vale do rio Nilo, no nordeste da África, a civilização do Egito antigo, uma das primeiras do mundo e também uma das mais famosas da história. Os egípcios antigos construíram enormes pirâmides, templos, palácios e túmulos. Seus entalhes e pinturas estão entre os mais esplêndidos que já foram criados. Esse povo também reproduziu na arte cenas simples de trabalho e diversão cotidianas que revelam muitos detalhes da sua vida.

Há cerca de 5 mil anos, começou no vale do rio Nilo, no nordeste da África, a civilização do Egito antigo, uma das primeiras do mundo e também uma das mais famosas da história. Os egípcios antigos construíram enormes pirâmides, templos, palácios e túmulos. Seus entalhes e pinturas estão entre os mais esplêndidos que já foram criados. Esse povo também reproduziu na arte cenas simples de trabalho e diversão cotidianas que revelam muitos detalhes da sua vida.

O clima seco do Egito ajudou a preservar muitas das coisas feitas pelos egípcios antigos. Os arqueólogos começaram a descobrir os restos dessa civilização no final do século XVIII. Por meio deles, os historiadores foram capazes de aprender muita coisa sobre o mundo dos egípcios antigos.

A vida no Egito antigo

As aldeias e as cidades do Egito antigo ficavam próximas do rio Nilo, que era a principal via de locomoção e transporte e também a única fonte de água. A região do Egito antigo era muito seca, mas o Nilo vinha de outras terras em que as chuvas eram mais abundantes. Todo ano, a água dessas chuvas vinha pelo curso do rio e acabava por inundar as terras do Egito. Depois, quando a água voltava ao leito do rio, deixava para trás uma lama rica. Os egípcios plantavam trigo e centeio na lama, além de frutas e hortaliças, usando irrigação (canais de água).

As casas do Egito antigo eram feitas de tijolos de barro. Tinham janelas pequenas e o chão forrado de palha. As paredes eram frequentemente decoradas com pinturas.

As roupas eram simples, em razão do clima quente. O tecido mais utilizado era o linho branco, feito com o fio obtido da planta que tem esse mesmo nome. A roupa comum dos homens era uma saia de linho e às vezes uma veste. As mulheres usavam um vestido reto, simples, que ia até o tornozelo.

Um dos feitos mais admiráveis dos egípcios antigos foi a sua escrita. A primeira escrita egípcia foi um sistema de figuras chamado hieróglifos. Por volta de 3100 a.C. os egípcios já usavam esse tipo de escrita. Eles cortavam ou pintavam os símbolos nas paredes de túmulos e templos. Posteriormente, desenvolveram formas curvas de escrita, mais simples. Os egípcios usavam essas formas para escrever no papiro, um material semelhante ao papel, feito de uma planta.

Os egípcios antigos adoravam muitos deuses. O principal deus do sol era (ou Re). Cada cidade tinha os seus próprios deuses especiais. Quando a cidade de Tebas adquiriu maior importância, o mesmo aconteceu com Amon, seu deus especial. Com o passar do tempo os egípcios fundiram Amon e Rá: Amon-Rá era considerado o rei dos deuses.

Osíris, um deus dos mortos, era outra divindade importante, porque os egípcios acreditavam na vida depois da morte. As famílias egípcias ricas enchiam os túmulos de coisas que supostamente os mortos usariam na outra vida.

Os egípcios usavam sal e produtos químicos para preservar os cadáveres como múmias. Eles conservavam como múmias até animais, como gatos, íbis e crocodilos. Múmias de pessoas importantes estão em caixões decorados, chamados sarcófagos. O caixão do rei Tutancâmon (ou Tutankhamen) era de ouro maciço.

História

Os primórdios do Egito

As margens do rio Nilo são habitadas há pelo menos 10 mil anos. O vale estreito do Nilo já foi pantanoso e tomado por árvores, junco e papiro (uma planta alta, parecida com o junco). Aos poucos, o povo acabou com os pântanos e construiu aldeias, aprendeu a plantar culturas e cuidar delas, e por fim organizou dois reinos: o Alto Egito e o Baixo Egito. O Alto Egito ocupava o vale estreito do rio, ao sul. O Baixo Egito ficava ao norte, no largo delta (área triangular) onde o rio se lança no mar.

Por volta do século XX a.C., um rei chamado Menés uniu as duas partes do Egito. Menés fundou a cidade de Mênfis para ser a capital do reino. Essa cidade ficava próxima do Cairo, a capital do atual Egito.

O Antigo, o Médio e o Novo Impérios

Depois de Menés, muitos reis, chamados faraós, governaram o antigo Egito. Durante a longa história do país houve mais de trinta dinastias (famílias de governantes) de faraós. Os historiadores agruparam muitas dessas dinastias em três períodos importantes: o Antigo Império, o Médio Império e o Novo Império.

O Antigo Império estende-se de 2575 a 2130 a.C. Foi durante esse período que os egípcios construíram as suas grandes pirâmides. Perto delas, o povo instalou uma enorme escultura, a Grande Esfinge. A Esfinge tem rosto de homem e corpo de leão.

Depois de 2130 a.C., o Egito enfrentou guerras civis. O país ficou dividido até o ano de 1938 a.C. Então os governantes de Tebas, uma cidade do Alto Egito, derrotaram seus inimigos e unificaram o país. Com isso teve início o Médio Império, que durou até 1630 a.C. Durante esse tempo o Egito expandiu seu território.

Um segundo período de enfraquecimento seguiu-se ao Médio Império. Um povo asiático, os hicsos, invadiu o Egito e só foi expulso em 1539 a.C. Começou então o Novo Império, que durou até 1075 a.C.

Um faraó poderoso do Novo Império foi Tutmés III, que governou de 1479 a 1426 a.C. Durante o seu reinado, o Egito teve o apogeu do poder e da riqueza. Tutmés conquistou a Síria. Além disso, ordenou a construção de muitos túmulos e templos. Posteriormente, durante o Novo Império, os hebreus (ancestrais do povo judeu) deixaram o Egito, onde tinham sido escravos. Esse acontecimento, conhecido como Êxodo, provavelmente se deu entre 1279 e 1213 a.C., durante o reinado de Ramsés II.

Alexandre e os Ptolomeus

Posteriormente o Egito foi dominado por povos da Ásia: os assírios e em seguida os persas. Depois Alexandre, o Grande, da Macedônia (país ao norte da Grécia), conquistou o Egito em 332 a.C. e fundou na foz do Nilo a cidade de Alexandria.

Depois da morte de Alexandre, Ptolomeu, um dos seus generais, usurpou o trono. Em 323 a.C., ele fundou uma nova dinastia de reis egípcios, os Ptolomeus. Estes eram macedônios e falavam grego. Os Ptolomeus eram repudiados por muitos egípcios que não queriam ter governantes estrangeiros.

Mas os Ptolomeus aumentaram a riqueza e o poder do Egito. Construíram o enorme Farol de Alexandria, que, assim como as grandes pirâmides, era uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo. Os Ptolomeus também construíram uma famosa biblioteca em Alexandria, aonde eruditos de todo o mundo que falava grego iam estudar.

Conquistas romanas e muçulmanas

A última representante dos Ptolomeus foi a rainha Cleópatra. As forças romanas derrotaram sua marinha na batalha de Áccio, em 31 a.C. No ano 30 a.C., o Egito passou a ser dominado por Roma. Depois que o Império Romano se dividiu em dois, no século IV d.C., o Egito passou a fazer parte da sua metade oriental, o Império Bizantino.