Jordânia 

Map/Still

Encyclopædia Britannica, Inc.
Photograph
Petra é uma cidade histórica e arqueológica na Jordânia, famosa por …
© Shawn McCullars
Photograph
Palácio do século VIII, no deserto a leste de Amã, na Jordânia.
H. Kanus/Superstock
Photograph
Anfiteatro romano em Amã, na Jordânia.
© OPIS/Shutterstock.com
Flag
Bandeira da Jordânia
Audio
Versão instrumental do hino nacional da Jordânia.
Projetos na Área de Pesquisa

A Jordânia é um pequeno país do Oriente Médio, com uma história bem antiga. Seu nome completo é Reino Hachemita da Jordânia. Sua capital e maior cidade é Amã. O país tem 6.602.000 habitantes (estimativa de 2014) e sua área é de 88.778 km2.

A Jordânia é um pequeno país do Oriente Médio, com uma história bem antiga. Seu nome completo é Reino Hachemita da Jordânia. Sua capital e maior cidade é Amã. O país tem 6.602.000 habitantes (estimativa de 2014) e sua área é de 88.778 km2.

Geografia

A Jordânia faz fronteira com a Síria, o Iraque, a Arábia Saudita, Israel e o território palestino da Cisjordânia. O rio Jordão corre ao longo da margem ocidental da Jordânia, em direção ao mar Morto. O país tem uma curta linha costeira no golfo de Áqaba, um braço do mar Vermelho.

Um vale fértil acompanha o curso do rio Jordão. A leste do vale ficam terras altas e rochosas. Do outro lado delas situa-se um deserto que cobre mais de 80 por cento do território da Jordânia. O país tem geralmente clima seco, com verões quentes e invernos frios.

Flora e fauna

Bananeiras, tamareiras e limoeiros crescem no vale. Nas terras altas há árvores pequenas e pastagens. Poucas plantas se desenvolvem no deserto.

Os principais animais encontrados na Jordânia são javalis selvagens, lebres, chacais, raposas, gatos selvagens, hienas, lobos, mangustos e gazelas. Entre os pássaros, há águias-douradas, abutres, pombos e perdizes.

População

A maior parte do povo da Jordânia é de árabes. Quase um terço deles são palestinos expulsos de Israel e da Cisjordânia. A maioria pratica o islamismo. Há também um número pequeno de cristãos. O árabe é a língua principal, mas muitas pessoas também falam inglês. Cerca de três quartos da população vivem nas zonas urbanas.

Economia

Diferentemente de outros países do Oriente Médio, a Jordânia não tem muito petróleo. A economia baseia-se no setor dos serviços bancários, do funcionalismo público e do turismo. Muitos turistas visitam as cidades bíblicas próximas do rio Jordão e os antigos edifícios da cidade de Petra esculpidos na rocha.

A indústria e a mineração são também importantes. Os principais produtos manufaturados são os químicos, os alimentícios e os têxteis, além do cimento. O país refina petróleo e tem minas de potássio e fosfato, que são usados para fazer fertilizantes. A agricultura limitada produz tomates, azeitonas, verduras e frutas cítricas.

História

O território da Jordânia é habitado há mais de 200 mil anos. A antiga Jordânia fazia parte da área atualmente conhecida como Palestina. Os primeiros reinos — Amã, Moab e Edom — dominaram a região a partir do século XIII a.C.

Mais tarde, assírios, babilônios, persas, selêucidas e o Império Romano controlaram a região. No século VII, os invasores árabes introduziram o islamismo. O Império Otomano dominou a região de 1500 até 1918.

Em 1920, o Reino Unido assumiu o controle do que atualmente é a Jordânia. O território, então chamado Transjordânia, obteve independência plena em 1946. Abdula, membro de uma poderosa família árabe chamada Hachemita, tornou-se rei do país. Em 1948, Israel foi criado, ocupando parte da Palestina. A Jordânia aliou-se a outras nações árabes numa guerra contra Israel. Forçados a sair da Palestina, muitos palestinos foram para a Jordânia.

Em 1967, a Jordânia entrou novamente em guerra contra Israel, perdendo para este a Cisjordânia e a parte oriental de Jerusalém. As perdas fizeram aumentar o número de palestinos que migraram para a Jordânia.

O país começou a obter paz e estabilidade na década de 1980. Em 1988, desistiu de suas reivindicações sobre a Cisjordânia. Em 1994, assinou um tratado de paz com Israel. No início do século XXI, a Jordânia continuava a trabalhar pela paz no Oriente Médio.