Moisés 

Photograph
Moisés mostra ao povo as Tábuas da Lei é o nome desta tela, …
Courtesy of Gemaldegalerie, Staatliche Museen zu Berlin - Preussischer Kulturbesitz
Projetos na Área de Pesquisa

Moisés é a principal figura do judaísmo. Ele foi o profeta que libertou o povo hebreu (ou israelita) da escravidão no Egito, ajudando-o a estabelecer uma relação especial com Deus. Moisés é importante também para o cristianismo e para o islamismo, pois foi ele que, segundo a Bíblia, comunicou aos homens as leis de Deus.

Moisés é a principal figura do judaísmo. Ele foi o profeta que libertou o povo hebreu (ou israelita) da escravidão no Egito, ajudando-o a estabelecer uma relação especial com Deus. Moisés é importante também para o cristianismo e para o islamismo, pois foi ele que, segundo a Bíblia, comunicou aos homens as leis de Deus.

Infância e juventude

Moisés provavelmente nasceu no Egito, no final do século XIV a.C., filho de hebreus. Os egípcios mantinham os hebreus escravizados. O governante supremo egípcio, chamado faraó, havia ordenado que todos os recém-nascidos hebreus do sexo masculino fossem assassinados. De acordo com o que conta a tradição bíblica, a mãe de Moisés, para tentar salvá-lo, colocou-o num cesto que desceu o rio Nilo flutuando. O cesto foi encontrado pela filha do faraó, que levou o bebê para ser criado na corte real.

Os hebreus deixam o Egito

Quando jovem, Moisés matou um egípcio que estava espancando um escravo hebreu. Fugiu, então, para uma terra vizinha e, de acordo com a Bíblia, teve ali o seu primeiro encontro com Deus. Ao pé do monte Sinai, viu um arbusto que estava ardendo no fogo mas não se consumia. Do meio do arbusto ele ouviu a voz de Deus lhe dizer para pedir ao faraó que libertasse os hebreus.

A Bíblia registra que Moisés falou com o faraó, mas este se recusou a fazer o que ele pedia. Então Deus puniu os egípcios lançando sobre eles dez pragas. A última praga tirou a vida do filho primogênito (mais velho) do faraó, e então os hebreus deixaram o Egito. Mas o exército do faraó perseguiu-os até eles não poderem mais avançar, pois tinham diante de si o mar dos Juncos (que outrora se acreditava ser o mar Vermelho). Então aconteceu ali o que muitos tomam como um milagre: os ventos abriram no mar uma faixa sem água, que possibilitou a travessia dos hebreus, e atrás deles o exército egípcio se afogou com a volta das águas.

Os Dez Mandamentos

Moisés levou os hebreus para o monte Sinai, onde Deus novamente se revelou a ele. Na montanha, Deus lhe deu as leis conhecidas com Dez Mandamentos, que dizem às pessoas para adorar somente a Ele e proíbem algumas ações, entre elas a mentira, o roubo e o assassinato. Deus fez um acordo, ou aliança, com os hebreus: se seguissem as Suas leis, Ele seria o deus deles para sempre. Depois, essas leis e outras foram registradas na Torá (parte da Bíblia hebraica).

Últimos anos

Moisés passou o resto da vida guiando seu povo pelo deserto de Canaã (Palestina), uma terra que Deus havia prometido dar aos hebreus, ou israelitas. A viagem foi longa e difícil. Algumas vezes os hebreus questionaram a liderança de Moisés e perderam a fé em Deus. Diz a lenda que, quando Moisés ficou frustrado com alguns rebeldes, Deus viu nisso uma falta de fé e lhe negou a entrada na chamada Terra Prometida.

O último ato oficial de Moisés foi renovar a aliança. Então ele subiu ao monte Pisgá (ou Nebo), na margem oriental do rio Jordão. Acredita-se que ele tenha morrido ali, vendo a Terra Prometida, mas sem poder entrar nela. De acordo com a Bíblia, Moisés viveu 120 anos.