ópera 

Photograph
Apresentação da ópera O barbeiro de Sevilha, composta pelo …
© Robbie Jack/Corbis
Photograph
Interior de um dos mais famosos teatros de ópera do mundo, o Teatro alla Scala (ou La …
Marco Brescia—Teatro alla Scala/AP
Audio
Ária “Voi che sapete” (Vocês que sabem) no Ato II da ópera …
© Cefidom/Encyclopædia Universalis
Audio
Abertura da ópera La traviata, do compositor italiano Giuseppe Verdi, em uma …
© Cefidom/Encyclopædia Universalis
Photograph
Poster para a produção da ópera Madama Butterfly, do compositor …
Buyenlarge—Time Life Pictures/Getty Images
Audio
Ária "Un bel dì vedremo" (Um belo dia veremos) no Ato II da ópera Madama
© Cefidom/Encyclopædia Universalis
Photograph
Retrato sem data da soprano brasileira Bidu Sayão (1902-1999).
MUSEU IMPERIAL/IBRAM/MINC
Projetos na Área de Pesquisa

A ópera é um tipo de música clássica. É também uma mescla de diferentes tipos de arte, pois é um jeito de contar uma história cantando e representando, muitas vezes contando com a dança. Assim como os atores no teatro, os cantores de ópera representam papéis no palco, enquanto uma orquestra toca a música. A ópera muitas vezes apresenta também um balé ou um outro tipo de dança.

A ópera é um tipo de música clássica. É também uma mescla de diferentes tipos de arte, pois é um jeito de contar uma história cantando e representando, muitas vezes contando com a dança. Assim como os atores no teatro, os cantores de ópera representam papéis no palco, enquanto uma orquestra toca a música. A ópera muitas vezes apresenta também um balé ou um outro tipo de dança.

Elementos

O texto da ópera é chamado libreto. O libreto conta uma história que pode ser inventada ou baseada em acontecimentos reais. As óperas podem ter enredos engraçados ou românticos, ser histórias de amor ou tragédias.

A ópera é totalmente, ou pelo menos na maior parte, cantada. O trecho cantado por uma só pessoa é chamado solo. O solo pode ser uma canção complexa, chamada ária, ou uma forma mais simples de fala cantada. As óperas apresentam ainda outras canções, cantadas por um grupo pequeno ou grande de cantores. O grupo grande se chama coro.

O cenário e a roupa dos cantores normalmente ajudam a contar a história. O palco pode representar qualquer tipo de lugar, desde um quarto de criança até uma floresta.

História

A ópera foi inventada na Itália, no fim do século XVI. A primeira delas se chamava Dafne. Seu autor era Jacopo Peri, e foi apresentada entre 1597 e 1598. Logo o novo estilo musical se tornou popular em toda a Europa.

Muitas óperas famosas foram compostas nos séculos XVIII e XIX. Wolfgang Amadeus Mozart foi um importante compositor de óperas que viveu no século XVIII. Uma de suas obras-primas é a ópera As bodas de Fígaro, que foi escrita em 1786. Outro compositor importante de óperas foi Giuseppe Verdi, um dos maiores compositores italianos do século XIX. Suas óperas mais famosas incluem La Traviata (1853) e Aída (1871). No fim do século XIX, o compositor alemão Richard Wagner escreveu uma série de quatro óperas baseadas em lendas alemãs. Essa famosa série é chamada O anel dos Nibelungos.

No início do século XX, esse gênero de música cresceu e se modificou, assim como a música clássica da mesma época. O compositor italiano Giacomo Puccini criou algumas das mais populares óperas desse período, como Tosca (1900) e Madama Butterfly (1904). Por todo o século XX e até hoje, as pessoas amantes de ópera nunca deixaram de remontar e de apreciar a maioria das antigas obras-primas desse gênero musical. Porém novas óperas têm sido produzidas por compositores modernos.

No Brasil, a ópera mais conhecida é O guarani (1870), de Antônio Carlos Gomes. Outros compositores, como Heitor Villa-Lobos e Mozart Camargo Guarnieri, compuseram também para esse estilo musical no século XX. A soprano Bidu Sayão, uma estrela do Metropolitan Opera de Nova York entre finais da década de1930 e através da década de 1940, foi uma das cantoras brasileira de ópera mais renomadas.