rio 

Photograph
Cerejeiras ao longo das margens do rio Gongendo, no Japão. Um rio é uma grande …
© norikazu/Fotolia
Photograph
Vista do rio Arno em Florença, na Itália.
© Mikhail Nekrasov/Shutterstock.com
Photograph
Vista do rio Guayas, em Guayaquil, no Equador.
© jkraft5/Fotolia
Photograph
Ponte Dom Luis I sobre o rio Douro, na cidade de Porto, em Portugal.
© jimmy_bierzo/Fotolia
Projetos na Área de Pesquisa

Um rio é uma grande corrente natural de água que flui pela terra e nela esculpe cânions e vales. Embora os rios contenham apenas uma pequena fração da água total do planeta, eles sempre foram essenciais para os seres humanos. As pessoas usam os rios de vários modos, e muitas civilizações antigas se desenvolveram nas proximidades deles.

Um rio é uma grande corrente natural de água que flui pela terra e nela esculpe cânions e vales. Embora os rios contenham apenas uma pequena fração da água total do planeta, eles sempre foram essenciais para os seres humanos. As pessoas usam os rios de vários modos, e muitas civilizações antigas se desenvolveram nas proximidades deles.

O trajeto dos rios

Photograph
Vista aérea do rio Limpopo, em Moçambique. O Limpopo flui pelo sul da África e …
Cary Humphries/U.S. Department of Defense (000310-F-5772H-512)
Photograph
A água que forma os rios pode vir das chuvas, do subsolo ou do derretimento da neve e do …
© afateev/Fotolia
Photograph
As águas do rio Zambeze formam as cataratas de Vitória, na Zâmbia. O rio faz …
© Inna Felker/Fotolia

Um rio começa como um fiozinho de água em terreno alto. Essa água pode vir das chuvas, do subsolo ou do derretimento da neve e do gelo. Esse fiozinho de água se junta a outros ao descer a colina, vai engrossando e passa a se chamar regato, córrego ou riacho.

O riacho acaba por se tornar rio. No seu curso superior, o rio corre rapidamente, abrindo caminho pela terra e recolhendo solo e cascalho. Ao longo de milhares ou milhões de anos, esse movimento da água cria cânions e vales profundos. O Grand Canyon, formado pelo rio Colorado, nos Estados Unidos, e a grande garganta do rio Zambezi, sob as cataratas de Vitória, na África, são exemplos das transformações que um rio pode provocar na superfície da Terra.

No curso médio, o rio passa por declives mais suaves, ficando mais largo e mais lento. O solo, os cascalhos e a areia começam a se depositar no fundo.

Em seu curso inferior, o rio corre ainda mais lentamente e deposita no fundo uma quantidade maior de material sólido. Parte desse material pode ser levada além do estuário, ou foz — o local em que o rio entra no mar —, e pode se converter numa área de terra chamada delta.

Bacias fluviais

Photograph
Vista aérea do rio Amazonas no Peru. A bacia Amazônica é a maior bacia fluvial …
© Debra Law/Dreamstime.com

A área coberta pelo rio e por seus afluentes é chamada de bacia fluvial ou hidrográfica. Afluentes são correntes menores de água que deságuam no rio. Rios que têm a mesma extensão podem ter bacias de tamanhos diferentes. O rio Amazonas é pouco maior que o rio Nilo, mas a bacia Amazônica é duas vezes maior que a bacia do Nilo.

Importância para os seres humanos

Photograph
A usina de Itaipu é a segunda maior geradora de energia hidrelétrica do mundo. A …
James Davis— Eye Ubiquitous/Corbis
Photograph
Vista da cidade de Assuã, junto ao rio Nilo. Foi ao longo desse rio que se desenvolveu a …
© Beatrice Kesseler/Fotolia
Photograph
Uma barcaça transporta mercadorias pelo rio Mississípi em Luisiana, nos Estados …
Ron Chapple Studios/Thinkstock

Os rios sempre foram muito úteis para as pessoas. As primeiras civilizações — dentre elas a da Mesopotâmia e a do Egito, no Oriente Médio, e a do vale do Indo, onde hoje fica o Paquistão — se desenvolveram junto a rios. Os rios proporcionavam aos primeiros humanos não só água para beber, mas alimento em forma de peixes. Quando as pessoas aprenderam a construir barcos, os rios se tornaram uma via de locomoção fácil e barata. Áreas de várzea proporcionavam solo fértil para plantações, e sistemas de irrigação permitiam usar a água para a manutenção dos campos cultivados.

Hoje em dia, as pessoas continuam a depender dos rios para boa parte do abastecimento de água. Cidades precisam diariamente de enormes quantidades desse recurso, para uso doméstico e industrial. Barcos grandes, chamados barcaças, ainda hoje transportam grãos, carvão e minérios. Em muitos lugares, os rios são usados para produzir energia elétrica. Represas como a de Itaipu aproveitam a força das águas para criar grandes quantidades de eletricidade. Represas também são usadas para controlar o fluxo dos rios. Elas podem prever inundações frequentes, que causam problemas para as populações ribeirinhas (ou seja, aquelas que moram junto aos rios).

Um rio com muitas quedas-d’água e corredeiras também vira uma atração turística. Além de admirar a paisagem, as pessoas podem praticar esportes como a canoagem em suas águas.

Certas atividades humanas são prejudiciais para os rios. Grandes fábricas construídas junto a eles utilizam enormes quantidades de suas águas para diversos propósitos. Quando essa água é devolvida ao rio, ela está em uma temperatura mais alta que o normal. A água quente perturba o equilíbrio ecológico e mata os peixes. As indústrias também despejam produtos químicos nos rios. Cidades que se desenvolveram em suas margens contribuem para o problema ao liberar esgoto nas águas. Outra fonte de poluição é o uso de fertilizantes e pesticidas (substâncias que matam insetos) nas terras em torno do rio. Esses produtos penetram no solo e podem ir parar na água.

A poluição não afeta apenas os seres vivos que habitam o rio. Quando as pessoas comem peixes retirados de águas contaminadas, a poluição passa para o corpo delas. Isso pode causar câncer e outros problemas de saúde.