Charles Schulz 

Photograph
Charles Schulz
© Reuters/Corbis
Projetos na Área de Pesquisa

O americano Charles Schulz foi o criador da duradoura série de histórias em quadrinhos “Peanuts”. Charlie Brown, Snoopy e outros personagens de “Peanuts” deram fama mundial ao quadrinista.

O americano Charles Schulz foi o criador da duradoura série de histórias em quadrinhos “Peanuts”. Charlie Brown, Snoopy e outros personagens de “Peanuts” deram fama mundial ao quadrinista.

Infância e juventude

Charles Monroe Schulz nasceu em Minneapolis, no estado de Minnesota, em 26 de novembro de 1922. Desde criança, ele adorava desenhar. Sua primeira caricatura publicada foi um desenho de Spike, seu pequeno cão preto e branco. Esse desenho apareceu em um jornal em 1937. Mais tarde, Spike serviu de modelo para Snoopy.

Schulz entrou no exército depois de concluir o curso colegial, tendo servido na Europa durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

“Peanuts”

Em 1947 Schulz começou a desenhar uma história em quadrinhos chamada “Li’l Folks”, que saía em um jornal e em uma revista. Em 1950, Schulz vendeu “Li’l Folks” a uma empresa que comercializava histórias em quadrinhos para jornais. A empresa rebatizou a história de “Peanuts”, embora o quadrinista não gostasse desse título.

No mesmo ano, “Peanuts” foi publicada em sete jornais dos Estados Unidos. Em 1958, era publicada em 355 jornais americanos e em quarenta publicações de diversos países. Por fim, a série saía estampada em cerca de 2.600 jornais de 75 países, tendo sido traduzida em 21 idiomas.

Os personagens de Schulz apareceram em diversos programas especiais de animação na TV. O primeiro foi A Charlie Brown Christmas, em 1965. Em 1967, o musical You’re a Good Man, Charlie Brown estreou em um teatro em Nova York e, quando encenada, é sempre sucesso de público.

Aposentadoria e morte

Schulz anunciou que iria parar de desenhar “Peanuts” em dezembro de 1999. Ele morreu dormindo em 12 de fevereiro de 2000, na véspera da tira de despedida de “Peanuts” sair nos jornais. Dois dias antes de sua morte, recebeu do Congresso americano uma Medalha de Ouro, que representa a maior premiação civil de seu país natal.