Álvares de Azevedo 

Photograph
Retrato do escritor brasileiro Álvares de Azevedo (1831-1852).
Arquivo ABL
Projetos na Área de Pesquisa

Manuel Antônio Álvares de Azevedo foi poeta, contista e dramaturgo. Nasceu em São Paulo no ano de 1831 e morreu no Rio de Janeiro em 1852.

Manuel Antônio Álvares de Azevedo foi poeta, contista e dramaturgo. Nasceu em São Paulo no ano de 1831 e morreu no Rio de Janeiro em 1852.

Sua obra mais famosa é Lira dos vinte anos, um livro de poesia escrito em 1844. Na primeira parte do livro, os poemas são sonhadores e sentimentais; na parte final, são irônicos e pessimistas.

Álvares de Azevedo estudou na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco. Desde cedo destacou-se entre os colegas pela facilidade em aprender línguas e pelo envolvimento com a literatura, escrevendo e traduzindo.

Entre 1848 e 1851, traduziu poemas de lorde Byron, poeta inglês que exerceu grande influência sobre sua obra.

Álvares de Azevedo fundou a Revista Mensal da Sociedade Ensaio Filosófico Paulistano e produziu uma peça inspirada em Otelo, de William Shakespeare. Além disso, publicou artigos, discursos, poemas e textos de ficção.

Praticamente todos os textos de Álvares de Azevedo foram editados apenas após sua morte.

Sua obra foi marcada pela melancolia, por uma espécie de prazer com o sofrimento e pelo pessimismo diante da vida. Essas eram algumas das características de uma fase da literatura que ficou conhecida como ultrarromantismo. Obra marcante nesse sentido é Noites na taverna, que Álvares de Azevedo escreveu em forma de prosa poética, constituindo uma série de contos que parecem episódios de um romance.

Seus amigos mais próximos foram os escritores Aureliano Lessa e Bernardo Guimarães. Com eles, Álvares de Azevedo dividiu uma residência de estudantes no bairro paulistano da Chácara dos Ingleses.

Em 1851 contraiu tuberculose. Morreu jovem, antes de completar 21 anos. Em seu pouco tempo de vida, porém, produziu uma obra que influenciou muitos poetas e até hoje é admirada. Pela sua obra, ele é Patrono da cadeira número 2 da Academia Brasileira de Letras.