represa de Itaipu 

Photograph
A represa de Itaipu fica no alto curso do rio Paraná, na fronteira do Brasil com o Paraguai.
Vieira de Queiroz—TYBA/Agencia Fotografica
Photograph
Uma imagem do Salto das Sete Quedas do Guaíra, no alto Paraná, antes da …
E. Manewal/Shostal Associates
Photograph
Represa de Itaipu, no alto do rio Paraná, na fronteira entre o Brasil e o Paraguai.
Robert Gibbs—Impact Photos/Heritage-Images
Projetos na Área de Pesquisa

A represa (ou barragem) de Itaipu pertence a uma usina hidrelétrica que tem uma das maiores capacidades de geração de energia do mundo. Ela está localizada no rio Paraná, na fronteira do Brasil com o Paraguai. A represa tem 196 metros de altura e 7.700 metros de extensão. O nome Itaipu vem do tupi e quer dizer “pedra que canta”.

A represa (ou barragem) de Itaipu pertence a uma usina hidrelétrica que tem uma das maiores capacidades de geração de energia do mundo. Ela está localizada no rio Paraná, na fronteira do Brasil com o Paraguai. A represa tem 196 metros de altura e 7.700 metros de extensão. O nome Itaipu vem do tupi e quer dizer “pedra que canta”.

A Usina Hidroelétrica Itaipu Binacional (nome oficial da usina) fornece energia elétrica para os dois países, por isso é administrada por um consórcio binacional — ou seja, o Brasil e o Paraguai têm um acordo para explorar os recursos energéticos de maneira satisfatória para ambos os países.

Com vinte unidades geradoras e 14.000 megawatts (MW) de potência instalada, a usina fornece hoje em dia 18,9 por cento da eletricidade consumida no Brasil e responde por 77 por cento do abastecimento de energia do Paraguai.

A construção da barragem teve início em 1974, depois de muitos estudos e pesquisas para escolha do lugar. O projeto vai, no lado sul, de Foz do Iguaçu (Brasil) a Ciudad del Este (Paraguai) e, no norte, de Guaíra a Salto Guaíra (ou Salto del Guairá, em espanhol).

O Salto das Sete Quedas do Guaíra, que era talvez a maior cachoeira do mundo em volume de água, ficou submerso pelo reservatório criado pelas barragens e vertedouro da represa de Itaipú.

Cerca de 40 mil pessoas trabalharam nas obras de desvio do leito do rio Paraná e na construção da barragem e nos escritórios de apoio até que a usina começasse a funcionar oficialmente em novembro de 1982. Foram despejados 12,3 milhões de metros cúbicos de concreto na obra, o que seria suficiente para pavimentar quatro rodovias que atravessassem a Amazônia.

A falta de boas estradas e as dificuldades de transporte das grandes peças fizeram da construção da usina um dos maiores desafios da engenharia moderna. Por exemplo, a primeira roda de turbina, com 300 toneladas, saiu de São Paulo em 4 de dezembro de 1981 e chegou ao canteiro de obras somente em 3 de março de 1982.

Outro desafio foi tentar salvar o maior número possível de animais quando fosse feito o alagamento do reservatório. Para isso, o governo brasileiro montou uma operação de resgate chamada Mymba Kuera (o nome vem do tupi-guarani e quer dizer “pega bicho”), que percorreu toda a área e salvou 36.450 animais da força das águas.

É possível visitar a usina. São oferecidos dois tipos de passeio: o panorâmico (caminha-se sobre o paredão da barragem) e o especial (inclui o passeio sobre a barragem e uma visita interna). Mas para fazer o passeio especial é preciso ter no mínimo 14 anos.

Até 2006, quando foi ultrapassada pela usina da represa das Três Gargantas, na China, a usina de Itaipu era a maior geradora de energia hidrelétrica do mundo.