Mato Grosso 

Map/Still

Encyclopædia Britannica, Inc.
Photograph
Vista da formação chamada Cidade de Pedra, no estado de Mato Grosso, no Centro-Oeste …
© Pascal06/Fotolia
Photograph
Com suas grandes ocas, esta aldeia indígena de Mato Grosso tem sua existência …
© Frontpage/Shutterstock.com
Photograph
Índios caiapó votam numa urna eletrônica durante a eleição …
Dida Sampaio—Agencia Estado/AP
Photograph
Seriemas (Cariamidae).
IBAMA/Banco de Imagens do Ibama
Photograph
Frutos de aroeira (Schinus molle).
Thase Daniel
Photograph
Plantas novas de soja. A soja é plantada na primavera, depois de passado qualquer risco de …
© kelly marken/Fotolia
Photograph
O Brasil é o maior produtor de cana do mundo.
© Skynavin/Shutterstock.com
Photograph
Cana-de-açúcar.
© Hywit Dimyadi/Shutterstock.com
Projetos na Área de Pesquisa

Mato Grosso (sigla: MT) é um estado da região Centro-Oeste do Brasil. Sua capital é Cuiabá. Mato Grosso ocupa uma área de 903.357 km2, onde vive uma população de 3.033.991 habitantes (censo de 2010).

Mato Grosso (sigla: MT) é um estado da região Centro-Oeste do Brasil. Sua capital é Cuiabá. Mato Grosso ocupa uma área de 903.357 km2, onde vive uma população de 3.033.991 habitantes (censo de 2010).

Geografia

Mato Grosso faz divisa com vários outros estados brasileiros: Amazonas, Pará, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Tocantins e Goiás. A oeste, faz fronteira com a Bolívia. As formas de relevo predominantes são o planalto e as chapadas, além da planície com pântanos e depressões.

O Pantanal Mato-Grossense, maior planície inundável do planeta, abrange parte dos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, além de parcelas do Paraguai e da Bolívia.

É um estado com muitos rios, entre os quais estão: Juruena, Teles Pires, Xingu, Araguaia, Paraguai, Cuiabá, São Lourenço e das Mortes. O clima é tropical.

Flora e fauna

Em Mato Grosso estão presentes, principalmente, três ecossistemas: o Pantanal, o Cerrado e a floresta Amazônica. Cada um deles tem características específicas de flora e fauna.

No Pantanal, a vida animal é rica, incluindo jacarés, ariranhas, macacos-prego, onças-pintadas e emas. A vegetação também é bem variada. Entre as árvores, destacam-se a aroeira, o ipê, a figueira e o angico.

O Cerrado se caracteriza por árvores baixas e arbustos de galhos retorcidos. A fauna é diversificada. Entre as muitas espécies, há lobos-guará, emas, seriemas, gaviões e urubus-reis.

A floresta Amazônica é uma selva fechada, na qual predominam as árvores de grande porte. A vida animal é tão rica, que boa parte ainda não foi sequer estudada nem tem nome científico. Ela abriga também onças, jaguatiricas, macacos, tucanos e muitas espécies de insetos e peixes.

Atualmente, Mato Grosso enfrenta graves problemas ambientais provocados pelo desmatamento e pelas queimadas. Grande parte das matas é destruída para dar lugar a plantações de soja.

População

Quando os bandeirantes começaram a percorrer a região que hoje forma o estado de Mato Grosso, no século XVIII, viviam ali vários povos indígenas, como os bororos e os parecis. Muitos deles foram escravizados pelos bandeirantes, que vinham principalmente de São Paulo, em busca de ouro. Boa parte dos integrantes das bandeiras se fixou na região de Mato Grosso ao longo dos séculos XVIII e XIX.

Quando foi encontrado ouro, grandes levas de africanos escravizados foram levadas para trabalhar nas minas. Muitos fugiram de seus donos e formaram quilombos, como o do Piolho, que reuniu escravos fugidos, indígenas e mestiços de índios e negros (cafuzos).

Esses escravos e seus descendentes se incorporaram à população de Mato Grosso. Na primeira década do século XXI, os registros mostraram a existência de aproximadamente 25 mil indígenas, de quarenta povos, vivendo no estado. Há guaranis, apiacás, ipurinas, terenas, mundurucus e parecis, entre outros.

Outro grupo que participou da formação do povo mato-grossense foram os migrantes vindos de várias regiões do Brasil. No século XX, a prosperidade do estado atraiu grande número deles, principalmente para a expansão da fronteira agrícola. Muitos migrantes vieram da região Sul, fixando nos municípios interioranos de Mato Grosso costumes como o preparo do chimarrão e o do churrasco.

Economia

A agricultura mato-grossense é bastante desenvolvida, com grande produção de soja, algodão, cana-de-açúcar, milho e arroz. Ela gera a maior parte dos recursos financeiros do estado. Há, também, extração de madeira e de borracha.

Na indústria, destacam-se, principalmente, os setores metalúrgico e alimentício. A mineração também tem papel importante na economia local, especialmente pela extração de calcário e ouro.

História

A área que hoje forma o estado de Mato Grosso pertencia aos espanhóis, de acordo com o Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494 — antes, portanto, do descobrimento, ou chegada dos primeiros navegantes portugueses ao Brasil. Esse tratado dividia entre Portugal e Espanha as terras “descobertas e por descobrir”.

Os bandeirantes percorreram a região no século XVII e no século seguinte encontraram ouro. Com isso, Mato Grosso recebeu muitos outros exploradores.

Em 1748, foi criada a capitania de Mato Grosso, com sede, primeiro, em Vila Bela e, mais tarde, na Vila de Cuiabá. Mas só dois anos depois é que Mato Grosso foi incorporado ao Brasil, pelo Tratado de Madri, assinado entre Portugal e Espanha. Para isso contou com a ocupação feita pelos bandeirantes, que tinham expandindo as fronteiras de atuação dos brasileiros.

Com o declínio da mineração, a província entrou em decadência. Apenas após a proclamação da República, em 1889, começou a se recuperar.

Os meios de comunicação e de transporte se desenvolveram, reduzindo o isolamento de Mato Grosso. O avanço atraiu para a região migrantes de outros estados do Brasil, que passaram a trabalhar na extração de borracha e de madeira e na criação de gado.

Na década de 1970, o estado recebeu muitos incentivos do governo federal para projetos agropecuários e de extrativismo. Também houve investimentos em transportes e em energia. Com isso, ocorreu uma nova onda de migração.

Em 1977, o estado foi dividido em dois: Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

A partir da década de 1990, a agroindústria mato-grossense se ampliou, com as exportações para outros países. As cargas são levadas para os portos pela Ferrovia Norte do Brasil (Ferronorte), que já opera em alguns trechos, e pela hidrovia Paraná-Tietê.