Caetano Veloso 

Photograph
O cantor, compositor e violonista brasileiro Caetano Veloso (2007).
New Yorker Films/Everett Collection
Projetos na Área de Pesquisa

Cantor, compositor e violonista, Caetano Veloso é um artista de muitos talentos. Além de ser um dos mais atuantes músicos brasileiros, ele também tem obras nos campos da literatura, cinema e teatro.

Cantor, compositor e violonista, Caetano Veloso é um artista de muitos talentos. Além de ser um dos mais atuantes músicos brasileiros, ele também tem obras nos campos da literatura, cinema e teatro.

Caetano Emanuel Viana Teles Veloso nasceu em Santo Amaro da Purificação, cidade localizada no Recôncavo Baiano, na Bahia, em 7 de agosto de 1942. Desde muito jovem, revelou talento para a música, cantando e tocando violão em bares ao lado da irmã, a cantora Maria Bethânia.

Mas foi na Faculdade de Filosofia da Universidade Federal da Bahia que Caetano encontrou os amigos que não apenas o encorajaram a compor como também se tornaram seus parceiros inseparáveis: Gal Costa e Gilberto Gil. Foi ao lado deles, e de músicos como Chico Buarque, Jair Rodrigues, Elis Regina, Tom Zé e Os Mutantes, que Caetano participou dos festivais de música da TV Record, na década de 1960.

Seu primeiro grande sucesso musical foi “Alegria, alegria”, música feita quando ele, juntamente com Gil, Gal, Tom Zé e Os Mutantes, entre outros, traçava os rumos do Tropicalismo.

Tropicalismo

O Tropicalismo surgiu como movimento de vanguarda, isto é, como algo tão inovador que parecia estar à frente de seu tempo.

A sua proposta era aplicar e atualizar para o consumo popular a filosofia antropofágica do modernista Oswald de Andrade. Ou seja, o Tropicalismo propunha o reprocessamento da cultura estrangeira para a criação de uma nova arte brasileira.

Foi um dos mais importantes movimentos culturais do Brasil e influenciou fortemente as estruturas da cultura nacional, com consequências que perduram até hoje.

Censura

O gosto pela polêmica fez de Caetano um dos artistas mais comentados na imprensa. Ele é conhecido como um artista que não tem medo de dizer o que pensa, mesmo que a sua opinião não agrade a todos.

Mas não foram apenas as suas palavras que o tornaram conhecido — seu comportamento ousado e inovador também rendeu muitos comentários em jornais e revistas.

Dizer o que se pensa é visto hoje como normal. No entanto, durante a ditadura militar, nos anos 1960, isso podia resultar em prisão. A repressão geralmente acontecia se os agentes do governo considerassem a fala ou o comportamento “subversivo”, ou seja, perturbador da ordem política e social imposta pelo governo.

Por essa razão, músicas eram censuradas, discos eram recolhidos e artistas eram presos. Caetano vivenciou cada uma dessas experiências.

Em dezembro de 1968, ele e Gilberto Gil foram presos sob a acusação de terem desrespeitado a bandeira nacional. Foram soltos em fevereiro do ano seguinte e, em julho, partiram com as esposas para a Inglaterra. Caetano e Gil voltaram a morar no Brasil somente em 1972.

Nada disso, porém, o impediu de continuar compondo e cantando. Ele gravou alguns discos na Europa, que fizeram sucesso no Brasil.

Ao longo da carreira, Caetano lançou mais de cinquenta discos solo. Caetano Veloso, Transa, Bicho, Cinema transcendental, Cores, nomes e Circuladô são alguns dos mais importantes. Sua discografia ainda conta com CDs cantados em espanhol (Fina estampa) e inglês (A foreign sound – Um som estrangeiro), além de importantes discos gravados com outros artistas, como Tropicália e Doces Bárbaros. Ele já fez inúmeras apresentações no Brasil e no exterior.

Caetano escreveu dois livros (Tropicália: uma história de música e revolução no Brasil e Verdade tropical), dirigiu um longa-metragem (Cinema falado), produziu dezenas de discos de outros artistas, fez trilha sonora para teatro e cinema (nacional e estrangeiro) e atuou em peças e filmes.

Caetano Veloso é um dos artistas brasileiros mais premiados. Sua obra é reconhecida em outros países da América Latina, nos Estados Unidos e em parte da Europa.