João Gilberto 

Photograph
O violonista e cantor baiano João Gilberto, considerado um dos precursores da bossa nova.
Starlight
Projetos na Área de Pesquisa

João Gilberto é um compositor, cantor e violonista brasileiro. Ao lado de Tom Jobim, é considerado um dos precursores do movimento musical chamado bossa nova, que revolucionou a música no final da década de 1950. Com seu estilo inconfundível e gênio criador, João Gilberto é um dos responsáveis pela difusão da música brasileira no mercado internacional.

João Gilberto é um compositor, cantor e violonista brasileiro. Ao lado de Tom Jobim, é considerado um dos precursores do movimento musical chamado bossa nova, que revolucionou a música no final da década de 1950. Com seu estilo inconfundível e gênio criador, João Gilberto é um dos responsáveis pela difusão da música brasileira no mercado internacional.

Os primeiros anos

João Gilberto do Prado Pereira de Oliveira nasceu em 10 de junho de 1931, em Juazeiro, na Bahia. Seu pai, um comerciante bem-sucedido, quis que seus sete filhos estudassem para obter uma carreira profissional. João se interessava pela música. Quando tinha 14 anos, ganhou seu primeiro violão, iniciando assim a carreira musical. Ele gostava de ouvir artistas norte-americanos de jazz, como Duke Ellington e Tommy Dorsey, bem como artistas brasileiros, dentre eles Geraldo Pereira, Dorival Caymmi e Dalva de Oliveira. Aos 18 anos Gilberto mudou-se para Salvador e começou a cantar no rádio. No Rio de Janeiro, foi vocalista da banda Garotos da Lua. Nos anos seguintes, Gilberto morou na casa de amigos e levou uma vida boêmia, tocando em bares e casas noturnas. O músico Luís Telles reconheceu o talento de Gilberto e o levou a Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, para ajudá-lo a deslanchar sua carreira musical. Na cidade gaúcha, ele fez apresentações no Clube da Chave. O músico retornou ao Rio de Janeiro em 1956.

“Chega de saudade”

Em 1958, João Gilberto participou de duas faixas do disco Canção do amor demais, da cantora Elizete Cardoso. Muitos notaram a técnica daquele violonista até então desconhecido. Num estilo único, ele reproduzia a batida do tamborim. No mesmo ano, Tom Jobim convidou Gilberto para gravar o disco “Chega de saudade”. O álbum foi lançado em 1959, e assim nascia a bossa nova, uma mistura de samba e jazz com melodias suaves e harmoniosas. Outros artistas já haviam intepretado a faixa que deu nome ao disco, composta por Jobim e Vinícius de Moraes, mas a voz e o ritmo do violão de João Gilberto marcaram “Chega de saudade” como a canção símbolo da bossa nova.

Nos dois anos seguintes, João Gilberto gravou mais dois álbums que se tornariam essenciais para a bossa nova: O amor, o sorriso e a flor (1960) e João Gilberto (1961).

Carreira internacional

Internacionalmente, foi no círculo de jazz que a bossa nova ganhou o maior apoio. Os músicos de jazz norte-americanos Charlie Byrd e Herbie Mann estão entre os principais nomes que ajudaram a introduzir o gênero nos Estados Unidos.

De 1962 a 1980, João Gilberto morou nos Estados Unidos (com uma curta estada de dois anos no México), onde lançou, com o saxofonista Stan Getz, o álbum Getz/Gilberto, aclamado pela crítica. Uma das faixas, “Garota de Ipanema”, de Tom Jobim e Vinícius de Moraes, se tornaria uma das canções mais famosas (e mais tocadas) da história da música contemporânea. A canção foi interpretada pela então esposa de Gilberto, Astrud Gilberto. O disco ganhou quatro Grammys (incluindo o de melhor canção para “Garota de Ipanema”) e alcançou os Beatles nas paradas de sucessos da época.

Volta ao Brasil

De volta ao Brasil em 1980, Gilberto lançou dois álbuns ao vivo, aclamados pela crítica: Live at the 19th Montreaux Jazz Festival (1986) e Eu sei que vou te amar (1994). Em 1992, João Gilberto e Tom Jobim se reencontraram em um show no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. No espetáculo, os dois músicos deleitaram os fãs com os clássicos que os fizeram famosos.

Em 2000, Gilberto gravou o álbum João voz e violão, pelo qual ganhou um Grammy de melhor álbum de world music. Sua discografia inclui outras gravações importantes, como Live at Umbria Jazz (2002) e João Gilberto in Tokyo (2004).

O sucesso de Gilberto continua, com apresentações internacionais e novos discos. Em 2008, ele realizou uma turnê para comemorar os 50 anos da bossa nova.