Érico Veríssimo foi um escritor gaúcho, considerado um dos mais importantes nomes da literatura brasileira no século XX. Grande contador de histórias, conquistou milhares de leitores com seu estilo simples e direto.

Como viveu o escritor

Érico Veríssimo nasceu na cidade de Cruz Alta, no estado do Rio Grande do Sul, a 17 de dezembro de 1905. Após os estudos em Porto Alegre voltou para sua cidade natal, onde se tornou sócio de uma farmácia. Aproveitava o tempo livre para ler autores como os ingleses William Shakespeare e Oscar Wilde, além dos livros do principal escritor brasileiro, Machado de Assis. Começou a escrever alguns textos e conseguiu publicá-los na imprensa gaúcha.

Em 1930 resolveu voltar para Porto Alegre, capital do estado, e foi trabalhar na Editora Globo. Dois anos depois, publicou Fantoches, um livro de contos. Em 1935 alcançou mais divulgação com Caminhos cruzados, o primeiro romance de uma série de quatro volumes. Nas décadas de 1940 e 1950, viveu vários anos nos Estados Unidos, como professor de literatura brasileira e diretor do setor cultural da OEA — Organização dos Estados Americanos. Retornou definitivamente a Porto Alegre em 1956, onde morreu em 28 de novembro de 1975.

Obras

Ainda que tenha escrito contos, livros de viagens e histórias infantis, Érico Veríssimo foi sobretudo romancista. Duas séries de romances escritos por ele alcançaram grande popularidade. A primeira é formada por Caminhos cruzados, Música ao longe, Um lugar ao Sol e Saga. A segunda é o épico O tempo e o vento, elaborado entre 1949 e 1961. Em três extensos romances (O continente, O retrato e O arquipélago), o autor pinta um amplo mural da vida no Rio Grande do Sul do início da colonização até meados do século XX.

Escreveu, ainda outros romances: Olhai os lírios do campo, O resto é silêncio, Noite, O senhor embaixador e Incidente em Antares. Publicou também, nos últimos anos de vida, a autobiografia Solo de clarineta.

Com Mafalda, sua mulher, teve dois filhos, Clarissa e Luís Fernando (que também é escritor de muito êxito).

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.