A Índia é um país do sul da Ásia. Tem 3.166.391 km2, sendo o sétimo maior país do mundo em área, e uma população de 1.299.490.000 habitantes (estimativa de 2015), a segunda maior do mundo, menor apenas que a da China. A capital do país é Nova Délhi. A cultura indiana é uma das mais antigas e ricas do mundo.

Geografia

Boa parte do território da Índia é uma península que se estende até o oceano Índico. A oeste da península fica o mar da Arábia, e a leste, a baía de Bengala. A Índia faz fronteira com Paquistão, China, Nepal, Butão, Bangladesh e Mianmar.

O relevo da Índia é diversificado. A cordilheira do Himalaia se ergue no norte. Ao sul das montanhas há uma planície de aluvião formada pelos rios Indo, Ganges e Brahmaputra. O rio Indo deu origem ao nome do país. O Ganges é sagrado para os seguidores do hinduísmo. No noroeste fica o deserto de Thar. A maior parte do sul é bem plana. Ao longo da costa encontram-se montanhas baixas, chamadas Gates Ocidentais e Orientais.

O clima da Índia é regido por monções, que são ventos que mudam de direção a cada estação. A maior parte do país tem três estações: uma primavera quente e seca; um verão quente e chuvoso; e um inverno frio e seco.

Flora e fauna

Florestas tropicais perenes crescem em áreas chuvosas. Em regiões mais áridas, as árvores perdem as folhas na estação fria e seca. A vegetação nas regiões secas é constituída de arbustos espinhosos e gramíneas. Cerca de uma centena de tipos de palmeiras também cresce no país.

Os animais selvagens da Índia incluem tigres, leões, leopardos, elefantes, rinocerontes, ursos e cervos. Macacos e vacas são vistos comumente até nas cidades. O pavão é a ave nacional, e o réptil mais conhecido é a naja.

População

A Índia tem povos que vêm se mesclando desde a Antiguidade. O idioma oficial é o hindi, mas outras línguas correntes são o bengali, o telugu, o marata, o tâmil, o urdu, o gujarate, o canara, o malaiala, o oria, o punjabi e o assamês. Muitos indianos têm o hindi ou o inglês como segunda língua. Cerca de três quartos da população são hindus. Muçulmanos são o segundo maior grupo religioso. Outros seguem o cristianismo, o siquismo, o budismo, o jainismo ou outras crenças.

A maioria dos indianos vive em aldeias. Em geral, as cidades da Índia são extremamente populosas. As pessoas se dividem desde o nascimento em grupos sociais chamados castas. Cada casta tem suas profissões tradicionais, dieta alimentar e costumes. Hoje em dia, porém, essa divisão social é um pouco menos rígida do que era antigamente.

A alimentação indiana é simples, mas varia de região para região. A maioria das dietas tem como base o arroz ou o pão, normalmente sendo complementada por purê de legumes, vegetais e às vezes uma pequena porção de iogurte. A comida geralmente é apimentada e bastante temperada. Os indianos raramente comem carne bovina ou de porco, porém peixe, leite, frutas e vegetais são amplamente consumidos.

Muitos festivais são celebrados anualmente em várias partes do país. O Diwali, provavelmente o maior dos festivais hindus, é uma celebração de ano-novo que dura cinco dias, entre o final de outubro e o começo de novembro. As comemorações incluem troca de presentes, refeições festivas, confraternização com amigos, lanternas coloridas e fogos de artifício. O Navratri, ou Sharad Navratri, é um importante festival hindu que acontece no início do outono em homenagem às deusas Durga, Lakshmi e Sarasvati. O Holi é um festival de primavera celebrado principalmente no norte da Índia. As pessoas atiram água e pó coloridos umas nas outras, e os papéis tradicionais são invertidos. O Dia da República (26 de janeiro) é feriado nacional em homenagem ao dia em que a constituição indiana entrou em vigor.

Economia

Serviços — principalmente nas áreas de tecnologia da informação, comunicações, transporte e turismo — são as atividades econômicas mais rentáveis da Índia. A indústria também é importante, com fábricas de tecidos, produtos químicos, alimentos processados, ferro, aço, eletrônicos, automóveis e cimento. A mineração fornece carvão, petróleo, minério de ferro e calcário.

A agricultura emprega a maioria dos indianos. Os cultivos incluem grãos, cana-de-açúcar, frutas, feijão, algodão, juta (um tipo de fibra), chá, café, borracha e especiarias. O país tem o maior plantel mundial de gado bovino e de búfalo. Como são sagradas para os hindus, as vacas são mais usadas para trabalhos pesados do que para o abate visando ao consumo da carne.

O turismo é uma parte importante da economia indiana. Turistas visitam a Índia para experienciar a riqueza histórica e cultural do país. Dentre os destinos mais populares estão o Taj Mahal, as cidades de Mumbai e Délhi, sítios arqueológicos e lugares de importância para o budismo, o hinduísmo e o islamismo.

Governo

O governo da Índia é uma democracia multipartidária. A Índia tem um sistema parlamentar de governo, assim como o Reino Unido, e também uma estrutura federal de governo, assim como os Estados Unidos. Isso quer dizer que o poder é dividido entre o governo central e os governos estaduais.

A constituição da Índia entrou em vigor em 26 de janeiro de 1950. É uma das constituições mais longas e detalhadas do mundo, contendo uma lista aprofundada dos direitos fundamentais de todo cidadão indiano. Tais direitos incluem as liberdades pessoal, de expressão e de religião, bem como o direito a educação gratuita para crianças dos 6 aos 14 anos. A constituição garante que todos os cidadãos são iguais, independentemente de raça, sexo, casta, religião ou local de nascimento. Além disso, proíbe a escravidão, o trabalho infantil e o tráfico de pessoas.

História

A história da Índia remonta à Antiguidade. Em cerca de 2500 a.C. a civilização do vale do Indo se estendia do que é hoje o Paquistão até o noroeste da Índia. Entre 1500 a.C. e 1200 a.C., tribos arianas invadiram o noroeste do país e se espalharam para o leste.

O Império Mauria, que durou aproximadamente de 321 a.C. até 185 a.C., uniu a maior parte do que hoje é a Índia. A dinastia hindu Gupta reinou aproximadamente de 320 d.C. a 540 d.C. Os guptas estimularam a literatura, a música, o teatro, a pintura e a escultura.

Domínio muçulmano

Os muçulmanos começaram a invadir a Índia no ano de 711. Em 1206, fundaram o sultanato, ou reino, de Délhi. A mais grandiosa de todas as potências muçulmanas na Índia foi o Império Mogol, que derrotou o sultanato de Délhi em 1526 e no final do século XVII já havia se espalhado por quase toda a Índia.

Domínio britânico

Enquanto isso, em 1498, o explorador português Vasco da Gama navegou de Lisboa até a Índia, descobrindo uma nova rota da Europa até o país asiático. Os holandeses, os britânicos e os franceses logo passaram a competir com Portugal, a fim de fazer negócios no país. Em 1849, a Companhia das Índias Orientais, da Grã-Bretanha, dominava quase todo o país. Após uma rebelião de soldados indianos, o governo britânico assumiu o controle direto da Índia em 1858.

Em 1885, indianos que queriam um governo próprio formaram o partido político chamado Congresso Nacional Indiano. Em 1920, Mahatma Gandhi, líder desse partido, começou a instigar os indianos a resistir ao domínio britânico. Ele insistia que os protestos contra as leis britânicas fossem pacíficos, sem o uso de violência.

Independência

A Índia conquistou a independência em 1947. No entanto, parte de seu território foi separada para a criação do país muçulmano chamado Paquistão, o que logo gerou um conflito entre as duas nações. Após uma guerra, em 1971, o Paquistão Oriental tornou-se um novo país, com o nome de Bangladesh. A Índia e o Paquistão continuam brigando pelo território da Caxemira.

Na Índia, conflitos étnicos e religiosos levaram ao assassinato de dois primeiros-ministros. O país também enfrenta problemas como a população crescente e a miséria disseminada, mas mantém um governo democrático. Além disso, desenvolveu tecnologia nuclear e se destaca mundialmente por sua forte indústria de tecnologia de informação. Em 2004, Manmohan Singh tornou-se o primeiro sique a ocupar o cargo de primeiro-ministro do país. Em 2007, Pratibha Patil tornou-se a primeira mulher presidente da Índia.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.