Diferentes povos e culturas têm seus jeitos de explicar a origem da humanidade. A Bíblia, o livro sagrado dos judeus e dos cristãos, conta em sua parte inicial, chamada Gênesis, que Deus criou o primeiro par de seres humanos, um homem e uma mulher — Adão e Eva —, depois que fez o céu e a terra, separou a luz das trevas e diferenciou aves de peixes.

O Jardim do Éden

Primeiro Deus criou o homem, Adão, feito a partir do barro do solo. Deus soprou nas narinas de Adão o hálito da vida. O poderoso criador deu a Adão o Éden, um jardim em que as sementes faziam brotar todas as espécies de árvores, frutos e flores. Havia fartura de beleza e de alimento. Mas, entre todas as espécies verdes do Éden, ou Jardim do Paraíso, Deus avisou que Adão não podia colher, muito menos provar, o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal.

Mas Adão vivia só naquele paraíso, carecia de companhia. Deus, então, fez o homem cair num sono profundo e arrancou-lhe uma de suas costelas, para dar vida à primeira mulher do mundo, Eva. Adão e Eva viviam nus no Éden, mas não se envergonhavam disso naquele paraíso também habitado por diversos animais.

Entre as belezas dos jardins, vivia uma serpente astuta, que atiçou a curiosidade da mulher de Adão para provar o fruto da árvore proibida. Seduzida pela criatura, Eva deu a primeira mordida no fruto e ofereceu um pedaço dele a seu companheiro. No mesmo instante, Adão e Eva perceberam que estavam nus e se envergonharam de seus corpos descobertos, pois tinham adquirido, segundo o texto da Bíblia, o conhecimento do bem e do mal.

Todos receberam um castigo de Deus. A serpente passou a rastejar. A mulher ganhou as dores do parto. O homem, que tinha todo o alimento facilmente ofertado pela terra, teria que a partir daquele dia trabalhar muito para garantir seu sustento. Adão e Eva passaram a ser mortais (poderiam morrer), foram cobertos por túnicas de peles e acabaram expulsos do paraíso, já que agora conheciam o bem e o mal. Longe do Éden, o casal teve os primeiros filhos da humanidade: Caim e Abel.

Outras origens

Na mitologia indígena, são muitas as histórias sobre as origens do mundo e do homem. Para os índios brasileiros que vivem no Xingu, Mavutsinim foi o primeiro homem, que vivia só. Primeiro, ele criou os irmãos gêmeos: Sol e Lua. Depois, transformou uma concha numa linda mulher e, com ela, teve o primeiro filho. Depois, esculpiu outros filhos em toras colhidas nas matas. Mas os seres nasciam e também morriam, por isso ele organizou a festa dos mortos, chamada de “quarup”. Nesse ritual, troncos apanhados no mato são enfeitados e voltam a se transformar em gente.

Na África, segundo a tradição ioruba, existia Olorum, o deus supremo, antes do início de tudo. Certo dia, Olorum se espreguiçou, gerando um volume de água, que deu origem a Oxalá, o primeiro de muitos orixás (santos do candomblé). Olorum entregou o saco de criação aos orixás. Odudua, outro orixá, criou o mundo. Com o barro, Oxalá teve a missão de modelar os homens, os peixes, as árvores e todos os seres vivos que existiam na Terra. Mas, enquanto modelava, o orixá embriagava-se de vinho de palma. Por isso os homens saíram dos mais diferentes tipos, tamanhos e cores.

No continente asiático, na China, um gigante chamado Gumiya e seus doze filhos criaram o mundo num tempo em que tudo era escuridão. Só existia um rinoceronte, que costumava vagar pelo universo. Gumiya arrancou a pele do animal para criar o céu. De seus olhos originaram-se as estrelas. A carne do bicho deu origem à Terra. O cérebro do rinoceronte virou o homem e a mulher.

Já uma das versões da mitologia nórdica para a criação do mundo também envolve uma criatura gigantesca. Odin, o principal deus do povo nórdico, e seus irmãos mataram um gigante, Ymir, que era formado de fogo e gelo. O corpo dele também foi transformado em partes do mundo: o sangue virou rios e oceanos, o cérebro deu origem às nuvens, sua carne virou terra e os ossos tornaram-se pedras.

Para explicar a origem dos seres humanos, uma história antiga da Índia fala de um ser chamado Eu. Quando Eu se sentiu solitário, ele se dividiu em dois, criando o homem e a mulher. Seus filhos se tornaram a espécie humana. Muitos mitos da África ocidental dizem que os primeiros seres eram um par de gêmeos. Os sumérios, um povo antigo do Oriente Médio, acreditavam que o primeiro povo veio da argila. De acordo com seus mitos, o deus da água disse à sua mãe para ela moldar pedaços de argila na forma de pessoas.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.