A República da Albânia é um país localizado na península dos Bálcãs, na Europa oriental. Durante grande parte de sua história, a Albânia foi governada por nações estrangeiras. Sua capital é Tirana. O país tem 2.811.000 habitantes (estimativa de 2015) e área de 28.703 km2.

Geografia

A Albânia faz fronteira com Grécia, Macedônia, Kosovo e Montenegro. A oeste, limita-se com o mar Adriático. O relevo é quase todo montanhoso. O monte Korab é o ponto mais alto do país, com 2.751 metros. A única área de planície acompanha o litoral. O rio mais longo é o Drin. No que diz respeito ao clima, os verões são quentes e secos; os invernos são chuvosos, mas não muito frios. As temperaturas são mais extremas nas regiões de montanha do que no litoral.

Flora e fauna

Antigamente as florestas cobriam a maior parte do território. Após séculos de desmatamento e formação de pastagens, em muitas áreas só restam arbustos e vegetação rasteira. Nas florestas que sobraram crescem carvalhos, faias e pinheiros.

A caça reduziu muito a fauna original. Em áreas remotas ainda se encontram lobos, chacais, porcos-do-mato, ursos, veados e camurças (um tipo de cabra silvestre). O clima ameno atrai muitos pássaros.

População e cultura

A população albanesa se divide em dois grupos principais: os guegues, que habitam o norte, e os toscos, no sul. Ambos falam variantes ou dialetos do idioma albanês. Valáquios e gregos, entre outros, constituem minorias que não ultrapassam 8 por cento da população.

Cerca de 39 por cento dos albaneses são muçulmanos. O restante se divide entre ortodoxos, católicos e sem religião.

Economia

A Albânia é um dos países mais pobres da Europa. Mais de metade dos trabalhadores vive no campo. Os produtos agrícolas mais cultivados são verduras, cereais, melões e batatas. Entre os animais de criação, destacam-se carneiros, cabras, vacas e aves.

A indústria produz tecidos, vidros, couro, ferro, aço e máquinas. São exploradas minas de cromo e cobre. O sudoeste do país é rico em petróleo e gás natural.

História

Os ilírios, ancestrais dos albaneses, foram os primeiros habitantes da região, conquistada pelos romanos em 100 a.C. Em 395 d.C., o Império Romano se dividiu em dois. A Albânia passou a pertencer ao Império Bizantino (a metade oriental do Império Romano). Mais tarde, a Bulgária e a Sérvia dominaram a região.

No final do século XIV, a Albânia se tornou parte do Império Otomano. O domínio turco durou quase quinhentos anos. Em 1912, a Albânia conquistou a independência.

Em 1928, o presidente da república declarou-se rei, com o nome de Zog I. Quando a Itália invadiu o país, em 1939, ele fugiu para o exterior. Entre 1943 e 1944, a Albânia foi ocupada por tropas da Alemanha nazista.

Em 1944, o líder comunista Enver Hoxha assumiu o governo, permanecendo no poder por quatro décadas. O regime implantado por ele isolou a Albânia do mundo. Após a morte de Hoxha, em 1985, o país reatou relações com várias nações.

Entre 1998 e 1999, teve início uma guerra civil entre sérvios e albaneses que viviam na província sérvia de Kosovo, na fronteira com a Albânia. Muitos kosovares de origem albanesa retornaram à terra natal. No fim da guerra, a maioria voltou para Kosovo, mas alguns permaneceram na Albânia. Em 2008, os albaneses comemoraram a independência de Kosovo, que se separou da Sérvia.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.