O Azerbaijão é um país situado na confluência entre a Ásia central, a Europa e o Oriente Médio. Sua capital é Baku. O país tem 9.541.000 habitantes (estimativa de 2014) e sua área é de 86.600 km2.

O Azerbaijão faz fronteira com a Rússia, a Geórgia, a Armênia e o Irã. O território é limitado a leste pelo mar Cáspio. Parte da Armênia separa a república azerbaijana de Nakhichevan do resto do Azerbaijão.

As montanhas do Cáucaso percorrem o país de norte a sul. A área central é uma grande planície atravessada pelo rio Kura. A maior parte do Azerbaijão é seca, com verões quentes e invernos amenos. A região sofre com terremotos ocasionais.

A população é composta na maioria por azerbaijanos, embora haja minorias de russos, armênios e outros grupos. A maior parte do povo fala azerbaijano, uma língua da família do turco. Mais de 90 por cento dos habitantes são muçulmanos. Contudo, a região de Nagorno-Karabakh (uma área reivindicada pela Armênia) é majoritariamente cristã ortodoxa oriental. Quase metade da população do país vive nas cidades.

A economia do Azerbaijão baseia-se em seus recursos naturais e na agricultura. Os principais recursos são o petróleo e o gás natural. As principais culturas são as de cereais, vegetais, frutas, batata, beterraba-açucareira, algodão, tabaco e chá. Cultivam-se uvas para a produção de vinho. Carneiros, cabras e gado fornecem lã e carne. Algumas regiões produzem seda. As principais indústrias são a alimentícia e a petrolífera.

A história escrita do Azerbaijão tem mais de 2 mil anos. Em épocas diversas, árabes, persas, turcos e mongóis dominaram a região. A Rússia ocupou o Azerbaijão no início do século XIX. Em 1918, o país declarou sua independência. Dois anos depois, todavia, a União Soviética, que estava se formando, invadiu a região. No início, os soviéticos reuniram o Azerbaijão, a Geórgia e a Armênia numa só unidade política. Em 1936, porém, o país tornou-se uma república soviética separada. Com o colapso da União Soviética, o Azerbaijão conseguiu novamente sua independência em 1991.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.