A Bahia (sigla: BA) é o estado mais populoso e extenso da região Nordeste do Brasil. Sua capital é Salvador, que foi a primeira capital do Brasil. A Bahia tem 14.021.432 habitantes (censo de 2010) e sua superfície é de 564.692 km2.

Geografia

A Bahia faz divisa com oito estados: Sergipe, Alagoas, Pernambuco e Piauí ao norte, Tocantins e Goiás a oeste, Minas Gerais e Espírito Santo ao sul. A leste, seu território é banhado pelo oceano Atlântico.

Mais da metade do território baiano encontra-se na região semiárida. Já o litoral, com 1.183 quilômetros de extensão, é o maior entre todos os estados brasileiros. O clima tropical é predominante na Bahia.

Seu relevo é marcado pela presença de planícies, planaltos e depressões. O ponto mais alto do estado é o pico das Almas, com 1.958 metros. Também é possível encontrar chapadões e chapadas, como a da Diamantina, além da serra do Espinhaço.

No semiárido, os planaltos são caracterizados por baixas altitudes. As planícies ocorrem na região litorânea, com altitudes que não ultrapassam 200 metros. Nessas áreas são comuns depressões que dão origem a praias, dunas, restingas e pântanos. Aí também ocorrem áreas de floresta tropical úmida.

No total, a Bahia conta com dezesseis bacias hidrográficas. O principal rio é o São Francisco, que corta o estado de sul a norte. Outros rios igualmente importantes são o Paraguaçu e o rio de Contas. Também merecem destaque o Jequitinhonha, o Itapicuru, o Capivari e o rio Grande.

Flora e fauna

A Bahia apresenta três tipos de vegetação. A Caatinga é a predominante e pode ser encontrada em toda a região norte do estado, na área da depressão do rio São Francisco e na serra do Espinhaço. O Cerrado ocorre na parte ocidental do território baiano, e a floresta tropical úmida, no sudeste.

A fauna baiana é rica e diversa. Nas áreas de floresta úmida, em especial no Parque Nacional do Descobrimento, é possível encontrar espécies ameaçadas de extinção, como o macuco, que é uma ave da família das codornas. Entre os mamíferos há preguiças-de-coleira e onças pintadas.

Já no Parque Nacional da Chapada Diamantina, localizado na região do semiárido, é possível encontrar um grande número de espécies de anfíbios, répteis e aves que só existem na região.

População

Proporcionalmente à população total do estado, a Bahia possui o maior número de negros e mulatos do país. Brancos e índios também têm importância na formação populacional baiana.

A miscigenação da população da Bahia começou ainda na época do descobrimento, quando os portugueses chegaram para colonizar a região. Depois, o ciclo prosseguiu com a chegada de escravos africanos de várias etnias para trabalhar nas lavouras de cana-de-açúcar.

Economia

A Bahia sempre foi um estado predominantemente agrícola. É o maior produtor nacional de sisal, cacau, mamona, coco, feijão e mandioca. A região do vale do São Francisco é a maior produtora de frutas tropicais do país; a maior parte da produção destina-se aos mercados europeu, asiático e americano.

Nos últimos anos do século XX, o estado começou a se destacar, também, pela importante indústria petroquímica. O polo petroquímico de Camaçari é o grande destaque desse segmento; com isso, 40 por cento das exportações baianas passaram a ser compostas por petróleo e derivados.

Ainda na indústria, a Bahia é forte na produção de alimentos e na metalurgia. E, desde que montadoras de automóveis resolveram se estabelecer na região, atraídas por facilidades fiscais oferecidas pelo governo local, o setor de produção de veículos também começou a se desenvolver.

Outro segmento importante é o turismo, que vem crescendo a cada ano. As festas populares são um grande atrativo, bem como a variedade de belezas naturais em todo o litoral. O maior complexo hoteleiro do Brasil fica 60 quilômetros ao norte de Salvador.

História

A Bahia foi a primeira região do Brasil a ser conhecida pelos navegantes portugueses. Em 22 de abril de 1500, Pedro Álvares Cabral e sua frota ancoraram em Porto Seguro.

Em 1534, os portugueses começaram a povoar o território baiano e, em 1549, o governador-geral Tomé de Sousa fundou Salvador, que se tornou a primeira capital brasileira.

No século XVII, a Bahia destacava-se pela produção de pau-brasil e de açúcar. Se por um lado isso garantia a inserção no comércio internacional, por outro atraía a atenção de corsários e de outras potências da época. Ingleses e holandeses atacaram a região e Salvador chegou a ficar sob domínio holandês entre 1624 e 1625.

Em 1798, uma revolução propunha a formação da República Bahiense. O movimento, conhecido como Conjuracão Baiana, foi pouco difundido, mas terminou reprimido com violência maior que aquela sofrida pela Inconfidência Mineira.

Após a independência do Brasil, a Bahia continuou ocupada por tropas portuguesas e submetida a seu domínio. A rendição de Portugal ocorreu apenas em 2 de julho de 1823, data em que os baianos comemoram o Dia da Independência.

Já na época da República, o estado foi palco de um incidente político importante: a Guerra de Canudos.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.