A Bielo-Rússia (também conhecida como Belarus) já fez parte da União Soviética. Atualmente é um país independente da Europa oriental. Sua capital e maior cidade é Minsk. O país tem 9.443.00 habitantes (estimativa de 2014) e sua área é de 207.595 km2.

A Bielo-Rússia faz fronteira com a Rússia, a Polônia, a Ucrânia, a Lituânia e a Letônia. País pouco acidentado, é quase todo plano, exceto pelas baixas colinas centrais. Há muitos pântanos, como os Pripets, no sul. Os invernos são frios, e os verões, frescos.

Bétulas prateadas crescem por todo o país. Pinheiros e abetos crescem no norte, enquanto carvalhos e betuláceas se desenvolvem no sul. Alces, cervos, javalis e bisões europeus vivem nas florestas. Entre as aves contam-se perdizes, galinholas e patos.

Os bielo-russos constituem o maior grupo étnico, seguidos pelos russos. A maioria da população fala bielo-russo e russo. Menos da metade é cristã; o restante não tem religião. Mais de dois terços dos habitantes vivem nas cidades.

Bancos e outros serviços, manufaturas e mineração são as principais atividades econômicas do país. As minas fornecem potássio, que é usado na fabricação de fertilizantes. A Bielo-Rússia é um grande produtor de turfa, um tipo de combustível. Os agricultores cultivam batata, milho, beterraba-açucareira, cevada, centeio, trigo, repolho e maçã. Criam-se gado e porcos.

Entre os séculos VI e VIII, um povo eslavo estabeleceu-se onde atualmente fica a Bielo-Rússia. Ao longo dos anos, a área foi controlada por várias potências estrangeiras, inclusive a Rússia, que a conquistou no século XVIII. Em 1922, a Bielo-Rússia tornou-se parte da União Soviética, com o nome de República Socialista Soviética da Bielo-Rússia. Em 1986, um acidente na usina nuclear de Tchernobil, na vizinha Ucrânia, ocasionou muitos problemas de saúde na Bielo-Rússia. Isso também tornou a terra imprópria para uso. Em 1990 a Bielo-Rússia separou-se da União Soviética e, em 1991, declarou independência total.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.