A República Federativa do Brasil é o quinto maior país do mundo e o maior da América do Sul, ocupando quase a metade do subcontinente. Sua capital é Brasília. O Brasil tem 8.515.767 km2 e sua população é de 205.053.000 pessoas (estimativa de 2014). O país é uma república federativa presidencialista, formada por 26 estados e um distrito federal. Fica em seu território a quase totalidade de um dos ecossistemas mais ricos do planeta: a Amazônia.

Geografia

O Brasil faz fronteira com todos os países da América do Sul, com exceção do Equador e do Chile. Toda a parte leste é banhada pelo oceano Atlântico, formando um litoral de 9.198 quilômetros. Os pontos extremos do país são, ao norte, a nascente do rio Ailã, no monte Caburaí, em Roraima; ao sul, o arroio Chuí, no Rio Grande do Sul; a leste, a ponta Seixas, na Paraíba; e a oeste, a nascente do rio Moa, na serra da Contamana, ou do Divisor, no Acre.

Duas regiões geográficas dominam o país: a planície Amazônica, no norte, e o planalto Brasileiro, no centro, no leste e no sul. Na região Centro-Oeste encontra-se uma vasta área alagável chamada Pantanal. A costa da região Nordeste é baixa e seca, e a da região Sudeste inclui planícies estreitas e montanhas. O relevo do Brasil é relativamente baixo: 97 por cento de seu território está menos de 900 metros acima do nível do mar. Seu ponto culminante é o pico da Neblina, com 2.994 metros de altura, na serra Imeri, que fica no estado do Amazonas, na fronteira com a Venezuela.

As baixas altitudes, mais o fato de quase todo o território se localizar entre o equador e o trópico de Capricórnio, fazem do Brasil o maior país tropical do mundo. Faz calor o ano todo na maior parte do país, com temperaturas mais baixas apenas no Sudeste e no Sul. As temperaturas médias anuais oscilam entre 16°C e 28°C, com a máxima em torno de 44°C (no interior da Bahia) e a mínima próxima de -10°C (em Santa Catarina).

A região Centro-Oeste recebe em média mais de 1.500 milímetros de chuva por ano. As áreas mais chuvosas são o Amapá e trechos da serra do Mar, em São Paulo; as mais secas encontram-se no sertão nordestino, onde, anualmente, chove menos de 500 mm.

O Brasil tem enfrentado grandes desafios para equilibrar o desenvolvimento de sua economia com a preservação de seus recursos naturais. A agricultura, a pecuária e a exploração de madeira estão entre os setores que mais impactam o meio ambiente brasileiro.

Flora e fauna

A floresta Amazônica, que ocupa toda a região Norte, é reconhecida como a área de maior biodiversidade do planeta. Ela recobre praticamente toda a bacia hidrográfica dominada pelo rio Amazonas, o maior rio do mundo em extensão e em volume de água. Nessa região vivem sapos, salamandras, macacos, hordas de insetos e uma das maiores variedades de borboletas que existem. Papagaios, araras e beija-flores são muito comuns. Entre os animais maiores, há onças, pumas, antas e bichos-preguiça.

Ao longo do rio Amazonas vivem capivaras (o maior roedor do mundo), além de jacarés, jiboias e tartarugas. No rio, há enguias-elétricas, peixes-gato, piranhas, peixes-boi e golfinhos de água doce, conhecidos como botos, entre os quais se destacam os botos-cor-de-rosa.

No Pantanal existe um grande número de pássaros, répteis, insetos e alguns animais maiores, como tamanduás e tatus. A mata Atlântica se estende pelo litoral, do sul da Bahia a Santa Catarina. É a área do país que mais sofreu devastação: no Nordeste, pela derrubada do pau-brasil, exportado para a Europa no período colonial, e no Sudeste devido à agricultura. Do sudoeste de São Paulo ao Rio Grande do Sul, impera a mata de Araucária ou dos Pinheirais. No interior do Nordeste, de clima semiárido, domina a Caatinga, com sua vegetação seca. Entre a floresta Amazônica e a Caatinga, no Nordeste, fica a mata dos Cocais. A maior parte do interior do Brasil é coberta por campos.

População

A população brasileira é formada por descendentes de povos indígenas, colonos portugueses, escravos africanos e várias nacionalidades de imigrantes — italianos, alemães, espanhóis, sírio-libaneses, japoneses, poloneses etc. —, que se estabeleceram no Brasil, principalmente, entre 1820 e 1970. Mais de 40 por cento da população é mistura de brancos com índios e negros. No Brasil, fala-se português e predomina a religião católica. O sincretismo religioso, no entanto, com rituais trazidos da África pelos escravos, mesclados com elementos da cultura indígena e do catolicismo, é seguido por parte da população.

Mais de 80 por cento da população brasileira vive em cidades, e treze delas têm mais de 1 milhão de habitantes. São Paulo e Rio de Janeiro são as duas maiores cidades do Brasil.

Economia

O Brasil é a sétima maior economia do planeta (posição registrada em 2014) e a maior da América Latina, com importantes setores agrícola, de mineração, de manufatura e de serviços. A indústria brasileira produz, principalmente, alimentos, petróleo, carros e caminhões, equipamentos elétricos, aço e produtos químicos. O país tem importantes reservas de minério de ferro, quartzo, silício, petróleo, ouro, gás natural e madeira, entre outros. Entre os principais produtos de exportação estão aeronaves, equipamentos elétricos, automóveis, álcool, tecidos, calçados, minério de ferro, aço, café, suco de laranja e soja.

Apesar de a agricultura brasileira utilizar apenas algo em torno de 10 por cento das terras do país, o Brasil é o terceiro maior exportador de produtos agrícolas do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e da União Europeia. O Brasil é o maior produtor mundial de laranja e de café. É o segundo maior de soja e de bovinos; o terceiro maior produtor de carne de frango; e o quarto maior produtor mundial de suínos.

Ao lado da Rússia, da Índia e da China, o Brasil compõe um bloco de países conhecido mundialmente pela sigla informal BRIC, criada em 2001 para se referir a essas nações, que na época estavam em notável crescimento econômico. Em 2010 a África do Sul se uniu ao grupo, que passou a se chamar BRICS.

História

Antes de os portugueses chegarem ao Brasil, calcula-se que 2 milhões de indígenas viviam na região, divididos em várias aldeias.

Em 1500, depois de desembarcar em Porto Seguro, o navegador português Pedro Álvares Cabral tomou posse das terras para Portugal. Mas a colonização só começou efetivamente em 1534, quando dom João III, rei de Portugal, dividiu o território em doze capitanias hereditárias, cada uma com um responsável. A partir de 1549, foi nomeado um governador-geral para administrar toda a colônia.

Com o crescimento da demanda internacional por açúcar — o maior produto de exportação do Brasil na época —, os portugueses começaram a trazer, no século XVI, escravos africanos para trabalhar nas fazendas. Mais tarde, eles foram usados também nas minas de ouro encontradas em Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás. Calcula-se que, até 1850, quando o tráfico de escravos foi proibido, mais de 4 milhões de africanos tenham sido levados para o Brasil.

Quando o imperador francês Napoleão Bonaparte invadiu Portugal, em 1808, a família real portuguesa fugiu para o Brasil, criando o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. O rei voltou a Portugal em 1821, mas deixou no Brasil, como regente, seu filho Pedro. No ano seguinte, Pedro declarou a independência do Brasil e se tornou imperador da nova nação como dom Pedro I. Era o dia 7 de setembro de 1822. A primeira Constituição brasileira foi promulgada em 25 de março de 1824. Dom Pedro I abdicou do trono em 7 de abril de 1831 e voltou para Portugal, deixando para trás seu filho e herdeiro, de 5 anos, que viria a ser dom Pedro II.

No dia 13 de maio de 1888, a escravidão foi abolida definitivamente no Brasil, após a assinatura da Lei Áurea pela princesa Isabel, filha de Pedro II. No ano seguinte, o imperador foi forçado a deixar o trono devido a um golpe militar, comandado pelo marechal Deodoro da Fonseca e apoiado por antigos proprietários de escravos que estavam descontentes com a abolição da escravatura. Assim, a partir do dia 15 de novembro de 1889, o Brasil se tornou uma república. O primeiro presidente foi o marechal Deodoro da Fonseca.

Em 1930, Getúlio Vargas, candidato derrotado à presidência da República, organizou forças e assumiu a presidência após um golpe de Estado. Permaneceu no poder por quinze anos, divididos em três fases: nos primeiros quatro anos, ficou como chefe do governo provisório; em 1934, foi eleito presidente da República; em 1937, fechou o Congresso Nacional, extinguiu a Constituição e governou com poderes ditatoriais até 1945, período que ficou conhecido como Estado Novo. Com o fim da Segunda Guerra Mundial, Getúlio teve de deixar o poder, e a democracia foi restabelecida. Vargas acabou voltando ao poder em 1951, quando foi eleito democraticamente. Suicidou-se em 1954, antes de terminar seu mandato.

Em 1956, num momento em que o país iniciava um período de forte crescimento econômico, Juscelino Kubitschek de Oliveira foi eleito presidente. Ele ficou conhecido por ter mudado, em 1960, a capital do Brasil do Rio de Janeiro para Brasília, que foi construída durante seu mandato. Juscelino foi sucedido, em 1961, por Jânio Quadros, que renunciou menos de um ano após assumir o cargo. Seu vice-presidente, João Goulart, assumiu a presidência, mas foi deposto em 31 de março de 1964 por um golpe militar. Mais um período ditatorial teve início, com os militares permanecendo no poder por mais de vinte anos. A redemocratização só aconteceu em 1985. Em 1988, o país adotou uma nova Constituição, que passou a garantir os direitos sociais e trabalhistas básicos. Em 2010, o Brasil elegeu pela primeira vez uma mulher presidente, Dilma Rousseff. Em 2012, o Brasil foi sede da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, conhecida como Rio+20, em que se discutiram temas relacionados com o meio ambiente e a sustentabilidade. Além disso, o país sediou a Copa do Mundo de Futebol de 2014 e sediará os Jogos Olímpicos de Verão de 2016.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.