O Reino do Camboja, no sudeste da Ásia, foi por muito tempo campo de batalha de vários países e grupos políticos. Sua capital é Phnom Penh. Com área de 181.035 km2, o país tem 15.548.000 habitantes (estimativa de 2014).

Geografia

O Camboja tem fronteiras com o Laos, a Tailândia e o Vietnã, além de uma faixa de litoral no golfo da Tailândia, que fica a sudoeste. O relevo do país é caracterizado por planícies baixas, que ocupam toda a região central, planaltos orientais cortados pelo rio Mekong e montanhas na parte oeste. Na região dessas montanhas se encontra o Tonlé Sap (Grande Lago). O Camboja tem clima tropical, com alternância de estações secas e chuvosas. Nas planícies, raramente a temperatura cai abaixo de 27°C.

Flora e fauna

Dois terços do território cambojano são cobertos por florestas densas. As montanhas do norte têm árvores altas e perenifólias (sempre-verdes, cujas folhas nunca caem), bambus, videiras e palmeiras. Os planaltos do sudoeste têm florestas de pinheiros na região mais alta e mata tropical junto ao mar. Arrozais, campos de cultivos variados e pastos ocupam a planície central.

Nas florestas do norte do Camboja vivem elefantes, bois selvagens, rinocerontes, tigres e leopardos. Os pássaros nativos do país são, entre outros, a garça, o pelicano, o cormorão e o faisão. Existem também crocodilos e cobras.

População

O grupo étnico khmer concentra 85 por cento da população cambojana, que também é composta por chineses, vietnamitas e chams. O budismo é a principal religião, mas nas regiões rurais muitos habitantes ainda seguem as práticas de antigas religiões locais. Mais de 80 por cento da população mora nas zonas rurais.

Economia

Cerca de 70 por cento dos cambojanos trabalha no campo. A cultura predominante é a do arroz, mas mandioca, milho, cana-de-açúcar, banana, coco, laranja, soja e tabaco também são cultivados, além de seringueiras. Os cambojanos praticam a pesca e criam rebanhos de vacas, porcos e búfalos.

O comércio e a indústria são partes importantes da economia. As principais indústrias do Camboja são as de roupas e têxteis, produtos alimentares, couro, derivados da borracha e madeira.

História

O mais conhecido reino do antigo Camboja foi o poderoso Império Khmer. Os khmers dominaram grande parte do sudeste da Ásia entre os séculos IX e XIII. O império construiu os famosos templos de Angkor Wat, no século XII. Nos séculos XIV e XV, o vizinho povo tai invadiu a região e o Camboja perdeu grande parte de seu território. No século XIX, a Tailândia e o Vietnã ocuparam o país.

No final daquele século, os franceses conquistaram a região e uniram o Camboja, o Vietnã e o Laos em uma colônia, chamada Indochina Francesa. Em 1953, a França teve de conceder a independência ao Camboja.

Durante os anos 1960 e 1970, a Guerra do Vietnã se espraiou até o Camboja. Em 1975, um grupo de comunistas conhecido como Khmer Vermelho tomou o poder no país. Liderado por Pol Pot, o Khmer Vermelho matou quase todos os oponentes ao novo governo. Ao menos 1 milhão de cambojanos foram mortos, em locais que ficaram conhecidos como os “campos da morte”.

Em 1978, forças comunistas apoiadas pelo Vietnã invadiram o Camboja e derrubaram o governo do Khmer Vermelho. Estabeleceram um governo pró-vietnamita e mudaram o nome do país para República Popular do Kampuchea. O Khmer Vermelho continuou a existir, mas como um movimento de luta contra o governo.

Em 1989, as forças vietnamitas deixaram o país, que passou a se chamar Estado do Camboja. Em 1993, o novo governo cambojano baniu o Khmer Vermelho. A promulgação de uma nova Constituição restaurou a monarquia. Entretanto, os rebeldes não cessaram a luta até a morte de Pol Pot, em 1998. Com o fim da guerra civil, as disputas e a violência têm sido combatidas com a lei, em um regime democrático.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.