O Cazaquistão é a maior nação da Ásia central. Seu nome deriva dos cazaques, o povo que em outros tempos vagou pelas vastas pastagens da região. A capital do país é Astana. Sua população é de 17.281.000 habitantes (estimativa de 2014) e sua área é de 2.724.900 km2.

Geografia

O Cazaquistão faz fronteira com a Rússia, a China, o Quirguistão, o Uzbequistão e o Turcomenistão. Também confina com os mares Cáspio e de Aral, no sudoeste. A maior parte da terra é plana ou montanhosa. A cadeia de montanhas Tien-Chan situa-se ao longo da fronteira com a China.

Flora e fauna

Relvas e arbustos crescem nas planícies e no deserto. Antílopes e alces vivem nas planícies. Nas colinas vivem lobos, ursos, leopardos-das-neves e saigas (uma espécie de antílope).

População

Os cazaques, uma etnia muçulmana, constituem mais da metade da população. Cerca de um terço dos habitantes são russos. Outros grupos étnicos são: ucranianos, uzbeques, alemães e tártaros. As línguas principais são o cazaque e o russo. Mais da metade da população vive nas cidades.

Economia

A economia do Cazaquistão baseia-se em suas reservas de petróleo e de gás natural. O país também explora minas de ferro, de cobre, de zinco e de ouro. Suas indústrias produzem ferro e aço, produtos alimentícios e maquinaria. Os agricultores cultivam trigo, algodão, verduras e legumes, além de criar gado.

História

Durante séculos os mongóis e outros grupos dominaram partes do Cazaquistão. No século XV, chegaram muitos uzbeques. Estes viviam como nômades, ou povos errantes, e os que tomaram posse da região se tornaram conhecidos como cazaques; os cazaques logo criaram um império na Ásia central.

Por volta de 1848, a Rússia conquistou o território dos cazaques. Em 1920, o Cazaquistão tornou-se parte da União Soviética. O governo soviético forçou os cazaques a se estabelecer em fazendas.

O Cazaquistão declarou a independência em 1991. Seu governo permanece estável no século XXI.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.