A República do Chile se estende por cerca de 4.350 quilômetros no litoral oeste da América do Sul. Embora longo, o território tem uma largura média de apenas 180 quilômetros. Sua capital e maior cidade é Santiago. O Chile tem 16.640.000 habitantes (estimativa de 2014) e sua área é de 756.096 km2.

Geografia

O oceano Pacífico forma a fronteira ocidental do Chile. Peru, Bolívia e Argentina ficam ao norte e ao leste. O Chile reivindica um pedaço da Antártica. Ele também controla várias ilhas no Pacífico sul, entre elas a ilha de Páscoa.

A cordilheira dos Andes situa-se a leste. Cadeias de montanhas menores ficam a oeste. Entre os dois sistemas de montanhas há planícies. As montanhas e as planícies se estendem de norte a sul ao longo de quase todo o país.

A parte norte do Chile é um deserto, o Atacama, com temperaturas moderadas. O centro do país tem verões quentes e secos e invernos frios e úmidos. O sul do Chile é frio e úmido.

Flora e fauna

Cactos e arbustos espinhosos crescem na costa norte. Árvores de madeira rija, arbustos, cactos e pastos verdes desenvolvem-se no centro do Chile, embora a agricultura tenha substituído muitas das plantas nativas. Densas florestas de faias, coníferas e pinheiros cobrem o sul.

Guanacos, lhamas, alpacas e vicunhas vivem na parte norte dos Andes. Outros animais de montanha são os cervos, lobos, pumas (no Brasil chamados de onças-pardas), gatos-selvagens, roedores e condores. As florestas do sul são habitat de raposas, pequenos cervos e marsupiais.

População

Os chilenos são, na maioria, mestiços, com raízes espanholas e indígenas. Há grupos menores de brancos e índios araucanos. A maioria da população fala espanhol e é católica. Grande parte da população vive nas cidades da região central do país.

Economia

A economia do Chile depende de seus recursos naturais. O país tem reservas de petróleo, gás natural e carvão. Além disso, é o maior produtor de cobre do mundo. As minas também fornecem minério de ferro, zinco, prata e ouro. Suas águas são piscosas (ricas em peixes), garantindo a forte indústria da pesca. Os agricultores chilenos cultivam trigo, uvas, maçãs, verduras e outras culturas.

As atividades econômicas mais importantes são os bancos e outros serviços, a indústria e o comércio. O país fabrica e vende produtos alimentícios, metais, produtos químicos e papel.

História

Antes da chegada dos espanhóis em 1536, pelo menos 500 mil índios viviam onde agora fica o Chile. Os índios araucanos lutaram contra os colonizadores durante cerca de 350 anos. Enquanto isso, os espanhóis estabeleceram imensas propriedades rurais. Uma pequena classe de pessoas controlava a maior parte da terra, a riqueza e a vida política do país.

No início do século XIX, o Chile começou a lutar contra a Espanha por independência e a derrotou em 1817, tornando-se independente em 1818. A Constituição de 1833 criou um governo forte. Os ricos proprietários de terra chilenos continuaram a dominar a política.

No começo do século XX, muitos chilenos pediam mudanças no governo e na sociedade. Uma nova Constituição, em 1925, deu ao Chile eleições democráticas e programas sociais. Após um início vacilante, o governo do país permaneceu estável até a década de 1970.

Em 1973, os militares depuseram o presidente Salvador Allende. O general Augusto Pinochet tomou o poder, implantando um regime ditatorial. Seu governo prendeu, torturou e matou muita gente que se opunha a ele, gerando uma onda de refugiados. Em 1988, Pinochet permitiu a realização de um plebiscito (decisão submetida ao voto popular) para que o povo votasse se queria ou não que ele permanecesse na presidência. O general foi rejeitado por uma pequena maioria. Em 1989, o Chile retornou ao governo civil (não militar).

Em 2005, Michelle Bachelet foi eleita a primeira mulher presidente do Chile. Em 2013, ela foi eleita novamente para um segundo mandato. Em fevereiro de 2010, no final de seu primeiro mandato, Bachelet enfrentou uma grande crise quando um terremoto de magnitude 8.8 atingiu o centro-sul do Chile.

No mês de agosto desse mesmo ano, uma mina no norte do país desabou, soterrando 33 mineiros (32 chilenos e um boliviano). Após 17 dias sem obter sinais de vida, a equipe de resgate descobriu que os mineiros ainda estavam vivos por uma nota presa a uma das sondas usadas para a perfuração. A nota, em espanhol, dizia: “Estamos bien en el refúgio los 33.” (“Estamos bem no refúgio os 33.”). Em 13 de outubro, o país comemorou quando os mineiros, soterrados por quase 70 días a mais de 600 metros de profundidade, foram trazidos à superfície um por um, em uma cápsula especial.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.