A China é o país mais populoso da Terra: mais de um quinto de toda a população do mundo vive lá. É também o maior país da Ásia. Com capital em Pequim, a China tem uma população de 1.364.038.000 habitantes (estimativa de 2014) e uma superfície de 9.572.900 km2.

Geografia

A China faz fronteira com Mongólia, Rússia, Coreia do Norte, Vietnã, Laos, Mianmar, Índia, Butão, Nepal, Paquistão, Afeganistão, Tadjiquistão, Quirguistão e Cazaquistão. O mar da China Oriental e o mar da China Meridional situam-se a leste. As cadeias de montanhas do Himalaia e do Karakorum, além dos montes Altai, separam a China de seus vizinhos do Ocidente.

O platô Qinghai-Tibete, no sudoeste, é uma região montanhosa e fria. O noroeste é caracterizado por um planalto com grandes bacias desérticas. O leste contém quase todas as planícies da China, por onde correm os maiores rios do país: o Huang Ho, o Yang-Tse e o Pérola.

Flora e fauna

As florestas cobrem cerca de 15 por cento do território chinês. Entre as muitas árvores, estão o tung, a canforeira, a laca e o anis-estrelado. Ao longo do mar da China Meridional há manguezais, enquanto parte do sul do país possui florestas tropicais.

Apenas na China são encontrados pandas-gigantes e salamandras-gigantes na natureza. Outros animais e aves nativos são tigres, macacos, crocodilos, faisões e espécies de tordos.

População

Os hans, ou chineses étnicos, formam mais de 90 por cento da população. A língua oficial é o mandarim, um tipo de chinês han. A China tem cerca de 55 grupos minoritários. Muitas pessoas seguem as crenças chinesas tradicionais, mas o budismo, o cristianismo, o islamismo e outras religiões também são praticados.

Cerca de 38 por cento da população vive nas cidades. Mais de quarenta cidades têm pelo menos 1 milhão de habitantes. O governo tentou controlar o crescimento populacional, estabelecendo o limite de apenas um filho por casal.

Economia

O governo comunista chinês possuía, tempos atrás, a maior parte dos negócios e fazendas do país. Antigamente, toda a riqueza gerada pelos trabalhadores chineses era apropriada pelo governo e, então, redistribuída igualmente. Atualmente, apesar de o governo ainda ser forte, os cidadãos têm permissão para ter o próprio negócio. Como resultado, a economia vem crescendo firmemente.

As atividades econômicas mais importantes são a mineração e a indústria. As minas produzem zinco, chumbo, cobre, minério de ferro, carvão e outros minerais. As fábricas fazem cimento, aço, ferro, papel, produtos químicos, tecidos, produtos eletrônicos, eletrodomésticos e carros. Atividades no setor de serviços, como as financeiras e as da área da saúde, estão se tornando cada vez mais importantes.

A agricultura é uma parte menor da economia, mas é a que ocupa o maior número de trabalhadores. A China é o maior produtor de arroz do mundo. Outras culturas importantes no país são: milho, trigo, soja, amendoim, frutas, verduras, tabaco, algodão, porcos e frangos.

Nas últimas décadas, a China tem sofrido uma grave deterioração do meio ambiente em favor de seu rápido desenvolvimento econômico. Os rios e o ar da China estão entre os mais poluídos do mundo. O governo vem se empenhando em melhorar tal situação. A China é um dos principais países investidores em energias renováveis, como a eólica (do vento) e a solar.

História

Há pelo menos 400 mil anos já havia seres humanos habitando o que hoje é a China. Por muito tempo, eles viveram como nômades, ou seja, vagando constantemente, sem se fixar. Mas, por volta de 2000 a.C., as pessoas começaram a viver em grupos agrícolas de moradia fixa. Finalmente, esses grupos formaram comunidades e então dinastias, ou famílias reais, para governar as comunidades.

Dinastias

A primeira dinastia sobre a qual existem registros escritos é a dos Shang. Ela governou parte da China no século XVIII a.C. Os Shang criaram ferramentas de bronze e deixaram documentos escritos. Seus vizinhos, os Zhu, conquistaram o território dos Shang por volta de 1050 a.C. A dinastia Zhu governou um conjunto impreciso de povos. Os líderes de um deles (o povo Qin) unificaram a China em 221 a.C. e começaram a construir a Muralha da China.

De 202 a.C. a 1279 d.C., as dinastias Han, Sui, Tang e Song governaram a China. Durante esse tempo, os chineses fizeram avanços nas ciências, na literatura e nas artes. A China também expandiu seu território.

No começo do século XIII, os mongóis da Ásia central, liderados por Gêngis Khan, começaram a conquistar partes da China. Em 1279 eles já dominavam todo o território chinês, e constituíram a dinastia Yuan. A dinastia Ming derrubou o governo mongol em 1368. Outro grupo, os manchus, conquistou o país em 1644, instalando a dinastia Qing, que governou até 1912. Foi essa a última dinastia chinesa.

Conflitos internacionais

Enquanto isso, começavam os conflitos com o Ocidente, com a Primeira Guerra do Ópio (1839-1842). Os britânicos dirigiam um lucrativo comércio de ópio (um tipo de droga extraído da papoula) na China. Muitos cidadãos chineses ficaram viciados nessa substância e, por isso, a China tentou deter esse comércio. Contudo, os britânicos ganharam a guerra, além de outras batalhas que se seguiram. No fim do século XIX, a China também teve conflitos e guerras com a França, a Rússia e o Japão.

Muitos chineses não apreciavam o crescente grupo de estrangeiros no país. Outros estavam também zangados com a pobreza existente no campo. Pessoas de todo o país começaram a se rebelar. Na Guerra dos Boxers, em 1900, bandos de chineses atacaram e mataram pelo menos 250 estrangeiros. Depois que forças europeias, russas, americanas e japonesas sufocaram a rebelião, essas potências estrangeiras ganharam ainda mais controle sobre a China.

A Revolução Chinesa

Vários grupos chineses continuaram a lutar por mudanças no fraco governo da dinastia Qing. Finalmente, eles tiveram êxito, com uma revolução que começou em 1911. O último imperador Qing afastou-se em 1912. Sun Yat-sen e seu Kuomintang (Partido Nacionalista) declararam a China uma república. Por vários anos, todavia, diferentes líderes lutaram para controlar o país.

Comunismo

Em 1928, os nacionalistas, grupo liderado por Chiang Kai-shek, assumiram o controle da China. Durante as invasões japonesas na década de 1930 e na Segunda Guerra Mundial (1939-1945), no entanto, o Partido Comunista Chinês se fortaleceu. Logo eclodiu uma guerra civil entre nacionalistas e comunistas, liderados por Mao Tsé-tung. Em 1949, os comunistas derrotaram os nacionalistas, que fugiram para a ilha de Taiwan.

Os comunistas deram um novo nome ao país: República Popular da China. Eles estabeleceram um governo comunista, com Mao Tsé-Tung como líder. Em 1958, Mao começou um programa, chamado Grande Salto Adiante, para modernizar a economia chinesa. Porém o plano fracassou, e milhares de pessoas morreram de fome. Em 1966, Mao começou a Revolução Cultural. Seu objetivo era fortalecer a crença do povo no comunismo, mas, em vez disso, ela levou à expansão da desordem e da violência. Muitos jovens criticavam e, em alguns casos, atacavam quem quer que não compartilhasse suas ideias sobre o significado dos ensinamentos de Mao. As desordens continuaram até a morte de Mao, em 1976.

Acontecimentos recentes

Os líderes que se seguiram a Mao fizeram esforços para restaurar a ordem na economia. Eles mantiveram sua crença no comunismo, mas começaram a instituir algumas reformas. Entre elas, permitiram a abertura de negócios particulares e mais liberdade de expressão. A China tentou também melhorar as relações com outros países, e um sinal de seu êxito veio em 2001. Naquele ano, o Comitê Olímpico Internacional escolheu Pequim para sediar os Jogos Olímpicos de Verão de 2008, que foram um grande espetáculo produzido pela pujante economia chinesa.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.