Cristóvão Colombo abriu o mundo das Américas para os europeus. Os vikings, vindos da Escandinávia, já tinham alcançado a América quinhentos anos antes da primeira viagem de Colombo, que ocorreu em 1492. Os vikings, porém, não chegaram a estabelecer assentamentos duráveis. Colombo explorou a região e trouxe outros europeus, por isso suas viagens tiveram efeitos permanentes.

Colombo desencadeou uma onda de assentamentos na América. Essa ocupação trouxe a cultura europeia para o hemisfério ocidental, mas também provocou grandes sofrimentos para os nativos americanos que habitavam o continente. Eles contraíram doenças trazidas pelos europeus, além de terem sido escravizados e obrigados a fazer trabalhos forçados em minas de ouro e prata.

Juventude

Cristoforo (seu nome em italiano) Colombo nasceu em Gênova, Itália, em 1451. Era filho de um tecelão e teve pouca escolaridade.

Por volta de 1476, Colombo se estabeleceu em Portugal e foi morar na ilha da Madeira, no oceano Atlântico. A Madeira constituía uma base portuguesa para as viagens de exploração da costa africana. Portugal estava tentando contornar a África e descobrir um caminho marítimo para a Índia e o restante da Ásia. Nos anos 1480, sabendo que a Terra era redonda, Colombo começou a planejar uma viagem para descobrir uma rota marítima até a Ásia. Ele desejava seguir para o oeste, ao contrário dos portugueses, que, em suas tentativas, navegavam para o sul e o leste. Os europeus necessitavam grandemente das mercadorias asiáticas, como ervas e especiarias. Contudo, elas custavam muito caro, porque tinham que ser transportadas para a Europa por uma perigosa rota terrestre, dominada pelos turcos muçulmanos. Colombo achava que a Ásia poderia ser encontrada a oeste, do outro lado do oceano Atlântico.

O rei de Portugal se recusou a pagar a viagem de Colombo. Ele então procurou Fernando e Isabel, dos reinos espanhóis de Aragão e Castela. Em janeiro de 1492, Fernando de Aragão e Isabel de Castela concordaram em financiar a expedição, fornecendo três caravelas a Colombo: a Pinta, a Niña e a Santa María.

Primeira viagem

Em 3 de agosto de 1492, as três naus levantaram velas. Em 12 de outubro, Colombo alcançou as Bahamas, um arquipélago da América Central, ao norte de Cuba e a leste da Flórida, pensando que tivesse chegado às Índias Orientais, na Ásia. Por isso, chamou os ilhéus nativos de índios.

Colombo alcançou Cuba em 29 de outubro. Em 6 de dezembro chegou à ilha de Hispaniola (hoje dividida entre o Haiti e a República Dominicana). Construiu um forte no local e deixou alguns homens ali. Em janeiro de 1493 ele retornou à Espanha, levando consigo papagaios, plantas, ouro, roupas e alguns indígenas.

Viagens seguintes

Fernando e Isabel ficaram satisfeitos com Colombo e suas descobertas. Logo eles o enviaram de volta numa segunda viagem. Nessa expedição, de 1493 a 1496, Colombo levou dezessete navios e cerca de 1.300 homens, mas descobriu que as pessoas que deixara na ilha de Hispaniola tinham sido mortas. Estabeleceu então uma nova colônia e explorou a costa da ilha. Ao retornar à Espanha, deixou seus irmãos encarregados do novo empreendimento.

Na terceira viagem à América, de 1498 a 1500, Colombo explorou o litoral caribenho (ou seja, a costa norte) da América do Sul.

Enquanto isso, muita gente da ilha de Hispaniola se irritou com o governo de Colombo e seus irmãos, reclamando para as autoridades espanholas. O navegante foi então preso e enviado à Espanha, algemado.

Assim que chegou, porém, foi libertado. Colombo convenceu os reis Fernando e Isabel de que encontraria tesouros para eles se lhe permitissem voltar à América. Sua última viagem começou em 1502. Ele explorou a costa da América Central, mas perdeu seus quatro navios em acidentes, tendo de ser resgatado.

Últimos anos

Colombo retornou à Espanha em novembro de 1504 e morreu em 20 de maio de 1506, na cidade de Valladolid. Até a morte, estava convencido de que alcançara a Ásia, sem saber que tinha descoberto um novo continente.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.