A Declaração de Independência é o documento fundador dos Estados Unidos da América (EUA). O Congresso Continental das colônias britânicas na América do Norte aprovou a declaração no Salão da Independência, na Filadélfia, em 4 de julho de 1776. O documento proclamou que as treze colônias originais dos EUA eram “estados livres e independentes”. Foi o último passo de um longo processo que conduziu as colônias à separação definitiva em relação à Grã-Bretanha.

Na época em que teve início a Guerra de Independência dos Estados Unidos (também chamada de Revolução Americana) contra a Grã-Bretanha, em abril de 1775, os habitantes das colônias americanas, em sua maioria, não buscavam a independência. Eles simplesmente queriam que o governo britânico desse atenção a suas queixas. Mas, com o decorrer da guerra, muitos se tornaram favoráveis à ideia de se libertar do domínio britânico.

Novos motivos para buscar a independência surgiam a todo momento. Em agosto de 1775, o rei George III declarou que os colonos eram rebeldes e contratou tropas estrangeiras para combatê-los. Os britânicos atacaram a costa do Maine e causaram grandes danos à Virgínia. Em janeiro de 1776, Thomas Paine publicou um panfleto intitulado Common sense (Senso comum). O panfleto chamava a atenção para o fato de os moradores das colônias estarem sendo tratados injustamente pelo rei. Foram vendidos muitos exemplares do panfleto, e a proposta de independência foi conquistando mais apoio.

Em 7 de junho, Richard Henry Lee, da Virgínia, pediu ao Congresso Continental que estudasse a possibilidade de declarar a independência em relação à Grã-Bretanha. O Congresso nomeou um comitê de cinco pessoas para redigir a declaração formal. O primeiro rascunho do texto foi escrito por Thomas Jefferson. Algumas modificações foram sugeridas pelos outros membros do comitê: John Adams, Benjamin Franklin, Roger Sherman e Robert R. Livingston.

Em 2 de julho de 1776, o Congresso aceitou a ideia da independência. Nos dois dias seguintes, o teor da declaração foi debatido. Em 4 de julho, a Declaração de Independência foi aceita pelos representantes de doze estados. A delegação de Nova York apoiou-a onze dias mais tarde. A declaração foi publicada primeiramente em jornais e lida em voz alta para multidões reunidas em cidades de todas as colônias. Membros do Congresso assinaram o documento oficial, escrito em pergaminho, em 2 de agosto. O documento apresenta primeiro uma lista de queixas formuladas contra o rei inglês e então traz a declaração de independência propriamente dita.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.