A Eneida é uma das grandes obras da poesia mundial. Trata-se de um poema épico, escrito pelo antigo poeta romano Virgílio em latim. Narra a lenda do herói Eneias, sobrevivente da Guerra de Troia e ancestral dos fundadores da Roma antiga. É uma das maiores obras da literatura universal.

Na mitologia romana, Eneias era visto como um semideus — isto é, o filho de uma deusa casada com um homem. No poema grego Ilíada, que narra uma parte da Guerra de Troia, ele é comparado a Heitor, o príncipe troiano que era o guerreiro mais importante de seu povo. Eneias é o herói da Eneida, mas já era uma figura venerada pelos romanos muito antes de o poema ser escrito.

Como viveu o poeta

Públio Vírgilio Maro, mais conhecido como Virgílio, nasceu no dia 15 de outubro de 70 a.C., no lugarejo de Andes, perto da cidade de Mântua, na atual Itália.

Depois que o imperador Augusto venceu a Batalha de Áccio contra Cleópatra e Marco Antônio, Roma passou a viver um período de paz e estabilidade. Isso despertou nas pessoas sentimentos nacionalistas e orgulho pelo passado. Virgílio sentiu-se inspirado a escrever um poema épico que descrevesse as origens de Roma e os ideais de seu povo. O poeta inspirou-se na Ilíada, de Homero, e usou profecias, visões e descrições detalhadas para contar sua história.

Virgílio levou onze anos para escrever a Eneida. Quando morreu, em 21 de setembro de 19 a.C., sua obra ainda não estava terminada. Ele queria que o poema fosse destruído, pois achava que seriam necessários três anos para concluí-lo. O imperador Augusto não atendeu ao pedido do poeta. A obra tornou-se conhecida e apreciada em todo o Império Romano. Virgílio passou a ser admirado como porta-voz dos ideais romanos antigos e por ter alcançado a extrema perfeição na arte da poesia com sua obra.

A história da Eneida

Eneias era troiano. Seu pai, Anquises, era membro da casa real de Troia. Sua mãe era Afrodite, a deusa do amor. Anquises jurou nunca dizer a ninguém que tinha se casado com Afrodite. Mas, quando Eneias nasceu, ele contou o segredo para os amigos. Como punição, Anquises ficou cego.

Quando os troianos perderam a guerra para os gregos, Eneias liderou seus guerreiros para fora da cidade em chamas e carregou seu pai cego nas costas. Ele e seus companheiros fugiram em navios. Navegaram sete anos pelo mar Mediterrâneo, em busca de um novo lar. Seus navios foram destruídos na costa da África, perto de Cartago. Dido, a rainha de Cartago, se apaixonou por Eneias e implorou que ele ficasse com ela. Quanto Eneias partiu, Dido ficou tão triste que se suicidou.

Eneias e seus companheiros passaram pequenos períodos na Trácia (no norte da Grécia), em Creta (uma ilha grega) e na Sicília (uma ilha italiana), antes de chegar à região do Lácio, às margens do rio Tibre, onde depois se construiu Roma. Latino, o rei do Lácio, recebeu-os muito bem. Eneias ajudou o governante em suas batalhas contra o povo chamado rútulos.

Anos depois, Eneias casou-se com Lavínia, filha de Latino. Ele herdou o trono depois da morte do sogro e reinou muito bem, unindo troianos e romanos. Morreu em uma batalha contra os etruscos.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.