A Eritreia é um país que se estende por cerca de 1.000 quilômetros ao longo do mar Vermelho, na África oriental. O nome do país deriva das palavras Mare Erythraeum, nome latino do mar Vermelho. Sua capital é Asmara. O país tem 6.536.000 habitantes (estimativa de 2014) e sua área é de 121.100 km2.

Geografia

A Eritreia faz fronteira com o Sudão, a Etiópia e Djibuti. Também faz parte dela o arquipélago de Dahlak, que é um grupo de ilhas no mar Vermelho. O alto maciço da Etiópia se estende para dentro da Eritreia a partir do sul. As terras baixas ao longo da costa são mais quentes e secas que as terras altas.

População

O povo tigrai, ou tigré, que vive nas terras altas do sul, forma mais da metade da população. Os tigrais falam a língua tigrínia e são cristãos na maioria. O segundo maior grupo étnico é formado pelo povo tigre, na maioria muçulmano, que vive nas terras baixas. Sua língua, também chamada tigre, é semelhante à tigrínia. Alguns eritreus também falam árabe, inglês ou italiano. Cerca de 80 por cento da população vive nas áreas rurais.

Economia

Os eritreus vivem da agricultura, mas o baixo índice de chuvas dificulta muito o cultivo. Entre as culturas estão raízes, sorgo, feijão e cereais. O rebanho é composto dos gados ovino, bovino e caprino. A indústria concentra-se na capital e fabrica produtos alimentícios, têxteis e de couro. O sal é extraído de minas.

História

A Eritreia originariamente pertencia ao reino de Aksum. O Império Otomano conquistou a Eritreia no século XVI. A Etiópia, o reino Tigrai, o Egito e a Itália lutaram posteriormente pela região. Em 1889, o país tornou-se colônia da Itália. Duas vezes a Itália usou a Eritreia como base para invadir a Etiópia. Os britânicos dominaram a Eritreia de 1941 a 1952, quando a região passou para a Etiópia. Os eritreus logo começaram a batalha pela independência, conquistando-a em 1993.

De 1998 a 2000, a Eritreia e a Etiópia lutaram por uma faixa de terra entre os dois países. A guerra matou milhares de pessoas e prejudicou enormemente a economia.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.