A Escócia é uma das nações que, junto com a Inglaterra, o País de Gales e a Irlanda do Norte, compõem o Reino Unido, no oeste da Europa. Com 5.295.400 habitantes (estimativa de 2011) e área de 77.907 km2, a Escócia ocupa o terço norte da ilha da Grã-Bretanha e faz fronteira com a Inglaterra ao sul. A capital escocesa é Edimburgo.

Geografia

A Escócia tem três regiões principais. As Terras Altas (Highlands), no norte, têm montanhas rochosas e muitos lagos. As Terras Baixas Centrais (Central Lowlands) são montanhosas e têm a melhor terra do país para a agricultura. As Terras Altas Meridionais (Southern Uplands) têm vales planos e estreitos, entre montanhas baixas. Entre as centenas de ilhas da Escócia estão as Orkneys, o arquipélago das Shetlands e as Hébridas. O clima da Escócia é frio e ameno.

Plantas como urze, gramíneas e arbustos cobrem boa parte da Escócia. Turfeiras, que são áreas pantanosas, também são comuns. Nelas, o solo é úmido e esponjoso.

População

A população da Escócia tem origem, sobretudo, em dois grupos: o antigo povo celta e os anglo-saxões. Os escoceses que descendem dos celtas vivem nas Terras Altas. A maioria do restante da população tem raízes anglo-saxônicas, como os habitantes do norte da Inglaterra. Há também os de origem irlandesa, lituana, italiana, polonesa, judaica e sul-asiática. O idioma oficial é o inglês, mas algumas pessoas falam os antigos dialetos gaélico e escocês. A religião cristã predomina.

Economia

A economia escocesa depende principalmente dos setores de serviços, como turismo, finanças, negócios imobiliários e funcionalismo público. Há fábricas de computadores e produtos de metal, vestuário, produtos químicos e alimentos. As indústrias de petróleo e gás natural também são fortes. No campo, há criação de gado bovino, ovelhas, porcos e galinhas, bem como cultivo de trigo, cevada e batata. Outras atividades importantes são a pesca e a silvicultura. Também se destaca no setor de bebidas, em que o uísque é o principal produto.

História

No século I d.C. diversos povos viviam na área da atual Escócia. Os romanos a invadiram por volta de 80 d.C., mas, embora tivessem conquistado a Inglaterra e o País de Gales, não conseguiram derrotar os povos locais.

No século V, quatro povos fundaram reinos na região: os pictos, os bretões, os anglos e os escotos. Os escotos eram um grupo de celtas da Irlanda. Entre os séculos IX e XI, os reis escotos trabalharam para a unificação dos povos em um só reino.

Em 1296, o rei da Inglaterra invadiu a Escócia, declarando-se seu monarca. O povo escocês lutou contra o domínio inglês. William Wallace e Robert Bruce foram heróis da guerra pela independência. Em 1328, a Escócia tornou-se independente, com Robert Bruce como seu rei.

O conflito com a Inglaterra continuou por mais de 250 anos, mas, em 1603, Escócia e Inglaterra se uniram sob um só rei. Em 1707, o Parlamento escocês, ou órgão legislativo, foi incorporado pelo da Inglaterra. Na época, a ilha inteira da Grã-Bretanha era um só reino chamado Grã-Bretanha. Em 1801, a Irlanda se incorporou à união, criando o Reino Unido. (Posteriormente, a maior parte da Irlanda rompeu com a união.)

No século XX, muitos escoceses queriam mais autonomia para seu governo e, em 1997, votaram pela criação de um novo Parlamento escocês. Este assumiu o controle de muitos assuntos da Escócia, mas o Parlamento nacional da Inglaterra ainda governa o Reino Unido como um todo.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.