O Espírito Santo (sigla: ES) é um estado da região Sudeste do Brasil. Sua capital é Vitória. O estado tem 3.512.672 habitantes (censo de 2010) em uma área de 46.077 km2.

Geografia

A leste, o Espírito Santo é banhado pelo oceano Atlântico. Faz divisa com os estados da Bahia, do Rio de Janeiro e de Minas Gerais.

No litoral do estado, a forma de relevo é a baixada litorânea (ou planície litorânea). No interior ficam as serras, cortadas por vários rios. Nessa área montanhosa destaca-se a serra do Caparaó, que entra também pelo estado de Minas Gerais. Nela fica o pico da Bandeira, o terceiro ponto mais alto do Brasil, com 2.891,9 metros.

Os principais rios do Espírito Santo são o Doce, o São Mateus, o Itapemirim, o Itaúnas e o Jucu.

Na região litorânea predomina o clima tropical úmido. A área serrana tem clima tropical de altitude.

Flora e fauna

Um dos principais desafios do Espírito Santo é conciliar o desenvolvimento com a preservação dos recursos naturais.

No passado, todo o território do Espírito Santo era coberto pela mata Atlântica. Hoje resta apenas uma pequena área de floresta. Por causa disso, muitas espécies vegetais e animais estão ameaçadas de extinção no estado.

A variedade da fauna, no entanto, é grande. Os animais encontrados são: tatu-canastra, muriqui, onça-pintada, preguiça-de-coleira, sagui-da-serra, anta, macuco, jaó-do-litoral, águia-real, mutum-de-penacho, papagaio-moleiro, tartaruga-gigante, tartaruga-verde e surucucu. No estado há diversos locais que servem para armazenamento dos ovos de tartarugas-marinhas, contribuindo com sua preservação.

A flora do Espírito Santo, apesar da devastação, também é bastante diversificada. Nas serras do estado há 476 espécies de árvore em cada hectare (1 hectare corresponde a 10 mil metros quadrados).

No litoral, encontra-se a vegetação típica de praias, dunas e restingas. Nos manguezais — áreas em que as águas dos rios se misturam com o mar — há arbustos e algumas espécies de árvores. Ali se reproduzem caranguejos, sururus, siris, ostras e muitos peixes.

População

Quando os colonizadores portugueses chegaram à região que hoje forma o Espírito Santo, encontraram indígenas goitacás e aimorés.

Os indígenas combateram os recém-chegados. Aos poucos, contudo, foram expulsos para outras regiões ou morreram em virtude dos conflitos e das doenças trazidas pelos europeus (gripe, varíola e outras).

Hoje vivem no Espírito Santo cerca de 2.600 indígenas tupiniquins e guaranis.

O Espírito Santo recebeu um grande número de negros escravizados, trazidos da África. Seus descendentes procuram manter os costumes e as tradições dos antepassados.

A partir da segunda metade do século XIX, o estado também recebeu muitos imigrantes de outras partes do mundo, que vinham trabalhar nas plantações de café ou nas cidades. Eram italianos, alemães, portugueses, suíços, holandeses, austríacos, gregos, espanhóis, belgas, chineses, sírios, libaneses e pessoas de outras origens.

Todos esses povos contribuíram para a formação do povo capixaba, como é chamado o habitante do Espírito Santo.

A cultura do Espírito Santo reflete essa riqueza étnica em sua culinária, nas festas e nos costumes da população.

Economia

Antes do século XX, a economia do estado era baseada na exportação de produtos agrícolas. Hoje, a indústria ocupa um importante papel, concentrando-se nos setores químico, alimentício, metalúrgico, madeireiro e de mineração.

Há grandes reservas de petróleo e gás natural no estado. Destaca-se, também, a extração de mármore e granito.

O Espírito Santo é um dos maiores produtores de café do Brasil. Cultiva ainda milho, arroz, cacau, cana-de-açúcar, feijão, abacaxi, banana, maracujá e mamão. A pecuária tem grande peso na economia, com a criação de bovinos, suínos e aves.

O setor de serviços tem crescido bastante (comércio, educação, turismo, transporte e outros).

O porto de Vitória é um dos mais movimentados do país. Por ele é exportada grande parte dos minérios extraídos nos estados de Minas Gerais e do Pará.

História

O Espírito Santo se formou a partir da capitania do mesmo nome, criada pela coroa portuguesa em 1534. O navegador português Vasco Coutinho desembarcou na capitania em 23 de maio de 1535, dia do Espírito Santo, e batizou o lugar com esse nome. O povoamento se iniciou pelo litoral e depois se expandiu para o interior. O primeiro povoado capixaba foi a Vila do Espírito Santo, que se tornou a sede da capitania.

Os colonos portugueses sofriam constantes ataques dos indígenas. Além disso, piratas franceses, holandeses e ingleses tentavam invadir a capitania. Para proteger-se dos ataques, as famílias dos colonos se mudaram para a ilha de Santo Antônio. Esse povoado foi chamado de Vila Nova e em 1550 se tornou a nova sede da capitania.

O antigo povoado passou a ser chamado de Vila Velha, nome que conserva até hoje. Vila Nova deu origem à atual capital, Vitória.

Até o início do século XVIII, a capitania era subordinada à Bahia. Tornou-se autônoma em 1810.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.