A Fórmula 1 é uma modalidade de automobilismo (corridas de carros) de alta tecnologia que promove um campeonato mundial anual, bastante popular, desde 1950. Esse campeonato teve origem na competição chamada Grande Prêmio, que acontecia na Europa desde antes da Segunda Guerra Mundial. A Fórmula 1 (F1) é regulamentada pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA), com sede em Paris.

Atualmente, cada corrida se chama Grande Prêmio de Fórmula 1, seguido do nome do país em que a prova se realiza. As corridas acontecem em autódromos e em alguns circuitos de rua da Europa, da Ásia, da Oceania e da América. O mais famoso circuito de rua é o Grande Prêmio de Mônaco, em Monte Carlo. O sistema de pontuação, que tem sido mudado através dos anos, premia atualmente até o 10° colocado em cada grande prêmio. Os resultados de cada corrida são transformados em pontos que, somados, definem dois campeões a cada ano: pilotos e construtores.

História

A prova inaugural do campeonato mundial de Fórmula 1 aconteceu no dia 13 de maio de 1950, no Circuito de Silverstone, na Inglaterra. O campeonato compreendia então seis grandes prêmios, todos na Europa: Inglaterra, Mônaco, Suíça, Bélgica, França e Itália. Para garantir o título de “mundial”, foi incluído o resultado das 500 Milhas de Indianápolis, disputado nos Estados Unidos, ou seja, um circuito de fora da Europa.

Das primeiras corridas participaram a Alfa Romeo, a Ferrari, as Voiturettes Era, a Maseratti e alguns carros esportivos modificados. A prova inaugural em Silverstone contou com um público de 100 mil pessoas. Naquele ano (1950), o título de campeão mundial de F1 foi para o italiano Nino Farina, da Alfa Romeo.

Nos primeiros campeonatos não havia patrocinadores. A cor do carro dependia do país de origem: verde para as equipes inglesas, vermelho para as italianas, azul para as francesas e branco para as alemãs. Foi nos anos 1960 que ocorreram as mais profundas mudanças na F1. Desenvolveram-se motores mais potentes e pneus especiais, e foram assinados os primeiros contratos de patrocínio; mas, principalmente, descobriu-se a aerodinâmica, que possibilitava maior velocidade. Com motores mais potentes, os acidentes graves passaram a ser frequentes. Novas regras foram estabelecidas para aumentar a segurança.

A década de 1970 marca o início do poder dos construtores, tanto na organização das provas quanto nas negociações dos direitos de transmissão pela televisão. O primeiro grande prêmio de Fórmula 1 no Brasil ocorreu em 1972, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo.

Os anos 1980 são considerados os melhores da história da F1, dominados por grandes pilotos como Niki Lauda, Alain Prost, Nigel Mansell, Nelson Piquet e Ayrton Senna. Os anos 1990 começaram com várias disputas entre bons pilotos, mas acabaram marcados pelos muitos acidentes de 1994. Num deles, o de Ímola, na Itália, morreu Ayrton Senna.

A década terminou com o início da era Michael Schumacher e da Ferrari. Entre 2000 e 2004, o piloto alemão ganhou cinco campeonatos seguidos pela equipe. Em 2006, Schumacher se despediu das pistas após ter batido quase todos os recordes e vencido sete campeonatos ao todo. A década de 2010 começou marcada pelo aparecimento de várias novas equipes e pilotos como o alemão Sebastian Vettel (o campeão mais novo da Fórmula 1 até o 2013).

Recordes

Michael Schumacher, que acabou voltando às pistas, é o piloto com mais vitórias em Grandes Prêmios (91), seguido por Alain Prost (51) e Ayrton Senna (41). Schumacher é também o piloto com maior número de títulos mundiais (7), vindo em segundo Juan Manuel Fangio (5) e em terceiro Alain Prost (4). Ayrton Senna, Nelson Piquet, Niki Lauda, Jack Brabham, Jackie Stewart e Sebastian Vettel (até o 2012) vêm em seguida com três títulos cada um. Schumacher foi ainda o piloto com maior número de pontos (1.391), mais pódios (154), voltas mais rápidas (76) e pole positions (68).

Entre os construtores, a Ferrari é a equipe com maior número de Campeonatos de Construtores conquistados (16), seguida pela McLaren (10) e pela Williams (9).

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.