Cidade italiana conhecida por sua história, arte e cultura, Florença prosperou durante o período do Renascimento, ou Renascença, que transcorreu na Europa desde meados do século XIV até o século XVI. Essa época foi marcada pela recuperação de valores culturais e artísticos da Antiguidade greco-romana. Florença localiza-se no centro da península Itálica, rodeada por suaves montanhas repletas de vilas, fazendas, vinhedos e pomares. A cidade é a capital da província de Firenze (nome italiano de Florença) e da região da Toscana, na Itália.

Locais de interesse

O ponto mais famoso de Florença é a Catedral de Santa Maria del Fiore, na Piazza del Duomo. A construção é também chamada simplesmente de Duomo, que em italiano significa catedral. O exterior do Duomo é revestido de mármore rosa, branco e verde, enquanto o interior contém pinturas e vitrais criados por alguns dos maiores artistas da Itália. Sua cúpula é um ponto de referência da cidade. A construção da catedral foi concluída em 1436. Ao lado do Duomo, ergue-se um campanário, ou torre de sinos, projetado pelo pintor e arquiteto Giotto. A torre tem mais de 80 metros de altura e também é revestida de mármore rosa, verde e branco. Em frente ao Duomo fica o Batistério, um dos edifícios mais antigos da cidade, datado aproximadamente do século XI. O Batistério é conhecido por suas portas de bronze, que ilustram cenas religiosas. Elas foram acrescentadas à construção por volta do século XV.

A igreja franciscana de Santa Croce também é muito conhecida. Ela data do século XIII e é o local onde estão enterradas muitas pessoas famosas de Florença, entre elas o importante artista da Renascença Michelangelo. Outra atração é a Ponte Vecchio, datada do século XIV. Ao longo dela estão instaladas lojas, sobretudo de ourives e joalheiros.

Cultura

Em virtude de sua importante história artística, Florença é conhecida por seus inúmeros museus. Um deles é a Galleria degli Uffizi (Galeria dos Ofícios), localizada em um enorme edifício originalmente destinado a sediar os órgãos do governo da cidade. Atualmente, a galeria expõe o que se considera a mais rica coleção de obras do Renascimento italiano. Entre as pinturas famosas estão O nascimento de Vênus, de Sandro Botticelli, e a Anunciação, de Leonardo da Vinci. Outra referência florentina, o Palácio Pitti, tem salas magnificamente decoradas, onde estão expostos cristais, prataria e joalheria. A Galeria da Academia de Arte abriga a célebre escultura Davi, de Michelangelo.

Economia

Florença é por excelência uma cidade turística. Os visitantes são atraídos pela riqueza cultural e pela obra de notáveis artesãos, que produzem belos artigos de couro, linho e mármore, além de joias, móveis e outros itens. A restauração de obras artísticas é outro importante negócio em Florença. Milhares de pessoas também trabalham na região em torno da cidade, onde são fabricados móveis, artigos de borracha, produtos químicos e alimentos.

História

Florença foi fundada pelos romanos no século I a.C. como colônia para soldados. O lugarejo cresceu e no século III d.C. já era um próspero centro comercial. Durante a Idade Média, Florença tornou-se uma cidade importante. Comerciantes, banqueiros e trabalhadores especializados prosperaram ali.

Em 1348, uma doença contagiosa conhecida como peste negra matou metade da população de Florença. A fome resultante da perda de colheitas e repetidos surtos da peste continuaram por todo o século XIV. Os distúrbios econômicos decorrentes provocaram o declínio da cidade, até que a família Médicis assumiu o controle de Florença no século XV. A rica família de banqueiros governou a cidade de 1434 a 1737, com exceção de alguns anos. Os Médicis usaram seu dinheiro para apoiar políticos e artistas. Sob Lourenço de Médicis, no final do século XV, Florença alcançou o auge como centro cultural da Renascença. Lourenço, o Magnífico, como era conhecido, patrocinou grandes artistas, como Michelangelo, Leonardo da Vinci e Botticelli.

Florença tornou-se parte do grão-ducado da Toscana em 1537. Com a morte do último Médicis, em 1737, a região da Toscana e a cidade de Florença passaram para os austríacos Habsburgos, com breve governo dos franceses no início do século XIX. Em 1860, Florença uniu-se ao recém-formado reino da Itália, tornando-se sua capital de 1865 a 1870.

Durante a Segunda Guerra Mundial, tropas alemãs ocuparam a cidade. Quando os Aliados avançaram em 1944, os alemães se retiraram, destruindo todas as pontes, exceto a Ponte Vecchio, e demolindo muitos edifícios antigos. Os Aliados ajudaram a restaurar algumas dessas construções. Em 1966, o rio Arno transbordou, subindo até 6 metros em alguns lugares. Muitas obras de arte e edifícios foram danificados ou destruídos na inundação. Florença recebeu pessoas de todo o mundo para ajudar a restaurar as obras. Atualmente a cidade é a mais avançada em técnicas de restauração. Sua população é de 366.039 habitantes (estimativa de 2013).

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.