O explorador Sir Francis Drake ajudou a ampliar o poder da Inglaterra durante o reinado da rainha Elizabeth I. Ele abriu o oceano Pacífico aos navios ingleses e ajudou a derrotar a Invencível Armada, a esquadra enviada pela Espanha para conquistar a Inglaterra.

Francis Drake nasceu por volta de 1540 e começou a trabalhar como marinheiro aos 13 anos, mais ou menos. Quando tinha pouco mais de 20 anos, entrou para uma frota de navios negreiros (que faziam tráfico de escravos). A frota foi atacada pelos espanhóis ao largo da costa do México, e a partir daquele momento Drake passou a nutrir inimizade pelos espanhóis.

Em 1572, Drake atacou um assentamento espanhol no Panamá, apossando-se de um grande tesouro. Em seguida, atravessou o Panamá por terra e viu o oceano Pacífico. A navegação no Pacífico era controlada pela Espanha, e Drake queria que os navios ingleses pudessem percorrer esse oceano.

Em 1577, a rainha Elizabeth enviou Drake para uma viagem de circum-navegação do mundo. Drake partiu com cinco navios, mas apenas o navio em que ele estava completou o percurso. Ele passou pelo estreito de Magalhães, na extremidade sul da América do Sul, e penetrou no oceano Pacífico, subindo então pelas costas da América do Sul e da América do Norte. Em 1579, ele atravessou os oceanos Pacífico e Índico, retornando à Inglaterra em 1580 com seu navio carregado de tesouros. A rainha Elizabeth o recompensou, dando-lhe o título de cavaleiro. Ele passou a ser chamado Sir Francis Drake.

Em 1586, o rei Filipe II, da Espanha, reuniu uma esquadra de navios de guerra, chamada a Invencível Armada, para invadir a Inglaterra. Drake destruiu muitos dos navios espanhóis em um ataque ao porto espanhol de Cádiz, no ano seguinte. Quando a Armada lançou seu ataque à Inglaterra, em 1588, Drake liderou o esforço para repeli-la. Com isso, tornou-se herói para os ingleses.

Suas últimas viagens não tiveram êxito igual. Em janeiro de 1596, Drake adoeceu enquanto combatia os espanhóis nas Antilhas, morrendo em seguida.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.