A Funai (Fundação Nacional do Índio) é o órgão do governo brasileiro encarregado de cuidar dos assuntos relacionados à comunidade indígena. Ela está ligada ao Ministério da Justiça, sendo responsável por colocar em prática as políticas do governo federal de proteção aos índios.

A Funai foi criada em 5 de dezembro de 1967, a partir da união de dois órgãos anteriormente existentes: o Serviço de Proteção aos Índios e o Conselho Nacional de Proteção aos Índios.

Seus objetivos são preservar a cultura das diferentes nações e tribos indígenas, promover a defesa de suas terras, dar-lhes assistência médico-sanitária, agir em função da melhoria de sua situação econômica e promover sua educação básica.

Para cumprir esses objetivos, possui centros que formam e preparam professores e monitores para trabalhar especificamente com a população indígena. A Funai tem, também, frentes de contato que atuam em vários estados: Acre, Amazonas, Goiás, Mato Grosso, Pará e Rondônia. Essas frentes têm o objetivo de localizar e proteger grupos de índios isolados.

A região Centro-Oeste e a região Norte do Brasil, principalmente na área da Amazônia Legal, concentram mais da metade da população indígena do Brasil. Em todas as regiões do território brasileiro, no entanto, há presença de índios. A grande maioria das comunidades indígenas vive em terras coletivas, reconhecidas e demarcadas pelo governo federal para seu usufruto exclusivo e são chamadas Terras Indígenas, que somam 673 (estimativa de 2010). Se bem muitas Terras Indígenas estão reconhecidas, há outras que estão envolvidas em conflitos e polêmicas para receberem o reconhecimento legal. Muitas comunidades estão amaeaçadas porque sofrem invasões de mineradores, pescadores, caçadores, madeireiras e posseiros. Outras terras sofrem o desmatamento para a construção de estradas, ferrovias, linhas de transmissão ou têm porções inundadas por usinas hidrelétricas. A população indígena do Brasil soma 896.917 pessoas, que fazem parte de 305 povos ou etnias (censo de 2010).

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.