Gana foi a primeira colônia africana da Grã-Bretanha a conquistar a independência, tornando-se modelo para as outras e liderando o estabelecimento de indústrias e de um sistema educacional moderno. Gana também é berço de importantes líderes, dentre eles Kofi Annan, ex-secretário-geral das Nações Unidas. A capital e maior cidade do país é Acra. Gana tem 27.635.000 habitantes (estimativa de 2015) e área de 238.533 km2.

Geografia

Gana fica na costa ocidental da África, fazendo fronteira com a Costa do Marfim, Burkina Faso e Togo. O oceano Atlântico fica ao sul. O clima de Gana é quente o ano inteiro, com estações secas e chuvosas.

O território do país é quase todo plano. As regiões sudoeste, noroeste e norte contêm altos platôs e algumas colinas e vales. A leste erguem-se montanhas baixas. Os rios Volta Branco e Volta Negro correm para o sul a partir de Burkina Faso e, na região central de Gana, formam o rio Volta. O rio Volta e seu tributário, o rio Oti, alimentam o lago Volta, um dos maiores lagos artificiais do mundo. Ele foi formado atrás da represa Akosombo, que produz eletricidade para Gana.

Flora e fauna

Gramíneas altas e árvores esparsas cobrem o norte e o centro do país. A maior parte do sul é coberta por florestas. As principais árvores de Gana são a paineira, a wawa e o mogno africano.

Entre os grandes mamíferos de Gana estão leões, leopardos, hienas, antílopes, elefantes, búfalos, porcos selvagens, chimpanzés e macacos. Crocodilos e hipopótamos vivem nos rios. Gana também tem muitas aves, entre as quais papagaios, calaus e martins-pescadores. Entre as cobras, contam-se najas, pítons e víboras.

População

O povo de Gana pertence a um amplo grupo dividido em 75 tribos diferentes. A maior delas é a akã. Outras grandes tribos são mole-dagbani, ewe, ga-adangme e gurma. O idioma oficial é o inglês, mas cada tribo tem a própria língua. Mais da metade do povo é cristã. Muitos outros praticam as religiões tradicionais africanas ou o islamismo. Pouco mais da metade do povo vive nas áreas rurais.

Economia

A economia de Gana baseia-se na agricultura e na mineração. Seus principais produtos de exportação são o ouro e o cacau. Outras culturas são mandioca, inhame, banana, milho, sorgo, arroz e painço. Gana também explora diamantes, manganês e bauxita, que é usada na fabricação do alumínio. Outras atividades importantes são o corte e o transporte de madeira, a pesca e a manufatura.

História

Muitos dos grupos étnicos atuais de Gana já viviam na região quando os portugueses chegaram, em 1471. Por causa de suas minas de ouro, a área tornou-se conhecida como Costa do Ouro. No século XVII, europeus na região comerciavam escravos africanos, assim como ouro. No século XVIII, o povo achânti desenvolveu um reino no sul. Os achântis forneciam escravos aos comerciantes europeus.

Os britânicos derrotaram os achântis e transformaram a Costa do Ouro em colônia em 1874. No início de 1949, Kwame Nkrumah liderou um movimento em favor da independência. Em 1957, Gana tornou-se a primeira colônia africana a conquistar a independência da Grã-Bretanha.

Gana tornou-se uma república em 1960, e Nkrumah foi eleito presidente. Ele suprimiu algumas das liberdades de grupos que se opunham a seu governo. Além disso, a economia decaiu. O exército e a polícia assumiram o controle de Gana em 1966. Entre 1966 e 1992, o governo do país alternou entre o regime militar e o democrático. Em 1992, Gana tornou-se uma democracia com muitos partidos políticos.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.