Glauber Rocha foi um diretor, roteirista, ator e escritor brasileiro. Ele foi uma figura importante do chamado Cinema Novo e um dos cineastas brasileiros mais premiados internacionalmente. Seus filmes de vanguarda retratam conflitos sociais e políticos do Brasil. Glauber Rocha é conhecido pela frase “Uma câmera na mão e uma ideia na cabeça”, que resume a maneira como ele fazia cinema.

Vida

Glauber Rocha nasceu em 14 de março de 1938 em Vitória da Conquista, na Bahia. Viveu em sua cidade natal até 1948, quando se mudou com a família para Salvador. Em 1957, ele ingressou na faculdade de direito da Universidade da Bahia. Em 1959, realizou seu primeiro filme, o curta-metragem Pátio, que chamou a atenção dos críticos. Por volta de 1960, abandonou o curso de direito e passou a trabalhar como jornalista e crítico de cinema. Em 1961, filmou seu primeiro longa-metragem.

Após o golpe de 1964 e o início da ditadura no Brasil, Glauber Rocha entrou em conflito com as autoridades brasileiras e chegou a ser preso por um breve período por protestar contra o regime militar. Ele acabou optando pelo exílio e saiu do país em 1970. Nesse período, viajou por várias partes do mundo e continuou fazendo filmes. O cineasta retornou ao Brasil em 1976.

Glauber Rocha morreu em 22 de agosto de 1981, no Rio de Janeiro, aos 43 anos, em consequência de complicações pulmonares. Ele foi casado três vezes e teve cinco filhos.

Cinema Novo

Na década de 1960, um novo cinema socialmente consciente surgiu na América Latina, na África e na Ásia. Cineastas ativistas procuravam criar um cinema que mostrasse os conflitos sociais e políticos que afetavam os países daquelas regiões. O movimento se opunha ao cinema comercial dos Estados Unidos e da Europa e foi chamado de Terceiro Cinema. No Brasil, um movimento parecido tinha se iniciado alguns anos antes, por volta de 1955. Esse movimento ganhou força na década de 1960 e ficou conhecido como Cinema Novo.

Glauber Rocha foi um dos principais representantes do Cinema Novo, ao lado de Nelson Pereira dos Santos e outros cineastas. Eles produziram filmes que tratavam de problemas sociais e políticos do Brasil e exploravam a história complexa do país. Os filmes do Cinema Novo se caracterizavam também por ser alegóricos (isto é, por expressar ideias indiretamente, através de símbolos), pelo destaque para os diálogos e pelos cenários simples e naturais.

Obra

O primeiro longa-metragem de Glauber Rocha foi Barravento, de 1961. Em seguida, vieram Deus e o diabo na terra do sol (1964), indicado à Palma de Ouro no Festival de Cannes, na França, e Terra em transe (1967). Em 1969, Rocha filmou Antônio das Mortes, também conhecido como O dragão da maldade contra o santo guerreiro, pelo qual ganhou o prêmio de melhor diretor em Cannes.

Na Europa, Rocha filmou na Itália, na Espanha e na França. Em 1970, dirigiu no Zaire (atual República Democrática do Congo) o filme Der Leone have sept cabeças. O tema central dessa obra é o colonialismo na África, e o título, que foi traduzido para o português como O leão de sete cabeças, mistura palavras em vários idiomas.

Outros títulos importantes da filmografia de Glauber Rocha incluem Cabeças cortadas (1970), História do Brasil (1973) e Jorge Amado no cinema (1979). Seu último filme foi A idade da Terra, de 1980.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.