Entre 1936 e 1939, dois grupos de cidadãos adversários entre si travaram uma dura batalha pelo poder na Espanha. O resultado da Guerra Civil Espanhola determinou o governo instalado no país até os anos 1970.

Panorama histórico

Nas primeiras décadas após a Primeira Guerra Mundial, as forças políticas da Espanha ficaram profundamente divididas. A classe dirigente, formada por ricos proprietários de terra, empresários, líderes militares e católicos conservadores, queria que as coisas ficassem como estavam. Do outro lado, uma parcela da população desejava mudanças sociais. Nesse grupo se encontravam os trabalhadores rurais, sindicalistas, intelectuais e as pessoas instruídas da classe média.

Em 1931, o rei Afonso XIII autorizou a realização de eleições. O povo votou a favor da instalação da república, pondo fim à monarquia espanhola. O rei fugiu do país. No entanto, em pouco tempo o povo ficou insatisfeito com o novo governo. Havia muitas manifestações e protestos. Em 16 de fevereiro de 1936, foram realizadas eleições para escolher outro governo. Os grupos que pressionavam por reformas estavam unidos na Frente Popular e venceram as eleições.

A guerra

As pessoas que até então haviam formado a classe dirigente não queriam abrir mão do domínio sobre o país. Eram chamadas de nacionalistas, porque queriam manter a nação como ela estava, e no dia 17 de julho começaram uma revolta militar para derrubar o governo, liderada pelo general Francisco Franco. Em pouco tempo o movimento se transformou em uma guerra, dividindo realmente o país.

Franco obteve ajuda dos governos da Itália e da Alemanha, que praticavam o poder com o mesmo estilo autoritário que ele. Os republicanos, que apoiavam a Frente Popular, conseguiram ajuda do governo comunista da União Soviética. Também receberam auxílio de cerca de 40 mil cidadãos do mundo todo, que se deslocaram para a Espanha a fim de combater ao seu lado. Os grupos desses combatentes estrangeiros ficaram conhecidos como Brigadas Internacionais.

Os nacionalistas tinham duas grandes vantagens: controlavam os militares e estavam unidos sob o comando de Franco. Os republicanos, por outro lado, não tinham armas suficientes, e também começaram a lutar entre si, pela falta de um comando único.

Os nacionalistas foram conquistando gradualmente territórios no norte e no sul do país. Na primavera de 1938, se deslocaram para o leste, em direção ao litoral do Mediterrâneo. Em 28 de março de 1939, entraram na capital, Madri, sem precisar combater. O general Franco então passou a dominar o país inteiro. Assumiu o poder e implantou uma ditadura que sufocou o país até 1975.

Resultados

A Guerra Civil Espanhola foi muito sangrenta. Entre 500 mil e 600 mil pessoas morreram devido aos combates, sem contar aquelas que morreram de fome ou de doenças, sem socorro. Os países estrangeiros que apoiaram os grupos dos dois lados na guerra voltaram a se enfrentar na Segunda Guerra Mundial, que teve início em 1939. Franco manteve a Espanha fora desse conflito. Ele governou a Espanha como ditador até sua morte, em 1975.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.