Discórdias entre dois países vizinhos, o Irã e o Iraque, culminaram em uma guerra que começou em 1980 e durou oito anos. O conflito devastou os dois países e acabou sem vencedor.

Discórdias iniciais

Em 1979 houve uma revolução no Irã. O aiatolá Ruhollah Khomeini, um rigoroso líder muçulmano, tornou-se a autoridade suprema dessa república islâmica. Saddam Hussein, o líder do Iraque, não queria que a revolução contaminasse seu país. Além disso, reprovava o apoio iraniano à minoria curda, que havia se rebelado contra o Iraque.

O Irã e o Iraque disputavam havia anos uma área petrolífera na fronteira entre os dois países. Saddam Hussein queria controlar essa região, localizada no sudoeste do Irã, e usou essa controvérsia territorial como desculpa para iniciar uma guerra.

Eventos da guerra

O Iraque invadiu o Irã repentinamente em setembro de 1980 e teve algumas vitórias iniciais. O Irã, porém, não cedeu, contrariando as expectativas de Saddam Hussein. Em meados de 1982, o Irã havia recuperado quase todas as terras tomadas pelo Iraque. Então, forças iranianas invadiram o país inimigo.

Nos cinco anos seguintes, os dois lados ficaram praticamente empatados e sofreram graves perdas. O Irã e o Iraque bombardearam cidades, campos de petróleo e navios-petroleiros um do outro. O Iraque obteve ajuda de muitos países, como a União Soviética, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos.

Nenhum dos dois países obedeceu às regras costumeiras de guerra. O Iraque usou muitas armas químicas, o que não era feito por país algum desde a Primeira Guerra Mundial (1914–18). O Irã se livrava de minas enterradas no solo obrigando meninos de aldeias a caminharem entre elas.

Em 1987, o Iraque começou a vencer a guerra. No ano seguinte, o Irã aceitou um acordo para pôr fim ao conflito. O número de mortos e feridos de ambos os lados foi de no mínimo 1 milhão.

As conversas de paz continuaram até 1990. Por fim, os países concordaram em partilhar o controle de um rio em sua fronteira. As tropas iraquianas deixaram o Irã em 1991, mas os últimos prisioneiros de guerra só foram trocados em 2003.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.