A República do Haiti é um país que fica nas Antilhas, na América Central. Sua independência foi conquistada em 1804, após uma revolta dos escravos africanos contra o domínio francês. A capital e maior cidade haitiana é Porto Príncipe. O país tem 10.912.000 habitantes (estimativa de 2015) e área de 27.700 km2.

Geografia

O Haiti ocupa o terço ocidental da ilha de São Domingos, ou Hispaniola. O restante da ilha é ocupado pela República Dominicana. O oceano Atlântico fica a norte e o mar do Caribe está a oeste e a sul.

O território é montanhoso. Com 2.674 metros, o Pico la Selle, no sul, é o ponto mais alto do Haiti. Entre as montanhas há planícies férteis. Dos muitos rios do país, o Artibonite é o mais extenso. O clima tropical é úmido e quente. Há estiagens ocasionais, e furacões são comuns entre agosto e novembro.

Flora e fauna

Embora a maioria das matas originais do Haiti tenha sido abatida, ainda restam algumas florestas perenes nas montanhas. Coqueiros, pés de café e de cacau, abacateiros, mangueiras, limoeiros e laranjeiras crescem nas matas. Áreas secas têm cerrados espinhosos e cactos.

A fauna também é limitada, abrangendo flamingos, lagartos e caimãos (répteis semelhantes a crocodilos).

População

Quase todos os haitianos têm raízes africanas. O restante da população é formado por mulatos. As duas línguas oficiais são o crioulo (mistura de francês e línguas africanas) e o francês. Embora a religião católica predomine, muitos católicos também praticam o vodu, um culto que mistura crenças africanas e católicas.

A maioria dos haitianos vive em áreas rurais, mas as cidades do país são muito populosas.

Economia

O Haiti é o país mais pobre da América. Cerca de 80 por cento da população vive na pobreza.

Os serviços, incluindo empregos no governo, no turismo, em lojas e em restaurantes, são a base da economia. A agricultura, porém, é fonte de emprego para muitas pessoas. Há criação de cabras, de gado bovino e de porcos. Os principais cultivos são mandioca, bananas, milho, batata-doce e arroz. O país exporta cacau, café e manga.

Muitas manufaturas do país montam artigos com peças importadas dos Estados Unidos. O país produz vestuário e componentes eletrônicos. Outras indústrias fabricam farinha, açúcar, cimento, cigarros e bebidas alcoólicas.

História

Quando o navegante Cristóvão Colombo chegou a Hispaniola em 1492, mais de 1 milhão de índios aruaques viviam lá. No final do século XVI, os colonizadores espanhóis haviam dizimado quase todos os indígenas.

Em 1697, a Espanha cedeu a parte oeste de Hispaniola aos franceses, que a renomearam como Saint-Domingue (São Domingos). Escravos trazidos da África trabalhavam nos canaviais e nas plantações de algodão. Em 1791, os escravos se rebelaram. Após uma série de conflitos, eles declararam a independência do Haiti em 1804. Uma figura importante nessa luta foi Toussaint Louverture.

Apesar de independente, o país continuou a ter problemas políticos. Os Estados Unidos o ocuparam de 1915 até 1934. O Haiti foi governado por ditadores e militares, e suas primeiras eleições presidenciais livres só se realizaram em 1990. Em 1991, porém, um grupo militar depôs o presidente Jean-Bertrand Aristide, democraticamente eleito. Tropas dos Estados Unidos ajudaram Aristide a retomar o poder. Em 2004, durante seu segundo mandato, rebeldes o obrigaram novamente a deixar o cargo.

Em 12 de janeiro de 2010, o Haiti foi devastado por um terremoto de 7 graus na escala Richter. Além de destruir numerosos edifícios, a catástrofe deixou mais de 200 mil mortos e milhões de desabrigados. Em outubro de 2012, antes que tivesse se recuperado totalmente dos estragos causados pelo terremoto, o Haiti foi varrido pelo furacão Sandy, que provocou mais destruição. Em 2016, o furacão Matthew atingiu o país, deixando cerca de 1.000 mortos e 1,4 milhão de pessoas em estado vulnerável. Desde a ocorrência desses desastres naturais, diversos países, dentre eles o Brasil, têm fornecido ajuda humanitária e auxiliado a manter a segurança interna no país.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.