A ortodoxia oriental é um dos principais ramos do cristianismo. Compõe-se de um grupo de Igrejas, a maioria delas ligada a um país específico. O patriarca (ou líder) da Igreja de Constantinopla (atual Istambul, na Turquia) é o representante geral da ortodoxia oriental, mas cada Igreja é independente e escolhe seu próprio dirigente. Existem ao todo mais de 200 milhões de cristãos ortodoxos. A maioria deles vive na Grécia, na Rússia, na Ucrânia, nos Bálcãs e no Oriente Médio.

Crenças e práticas

Os cristãos ortodoxos remontam sua história aos primórdios do cristianismo e afirmam que praticam a religião da mesma forma que os primeiros cristãos. Ao contrário dos católicos, eles não reconhecem a autoridade do papa.

Todo domingo a Igreja Ortodoxa celebra seu serviço mais importante, a Divina Liturgia. Durante a celebração, os membros da Igreja comem pão em memória da Última Ceia de Jesus. Assim como nas outras Igrejas cristãs, esse ato é conhecido como comunhão. Ele constitui um dos sete sacramentos, ou cerimônias sagradas, da Igreja Ortodoxa.

História

O cristianismo tornou-se a religião oficial do Império Romano no século IV d.C. No século V, a parte ocidental do império caiu nas mãos de invasores, mas a parte oriental sobreviveu por mais mil anos, com o nome de Império Bizantino. O papa surgiu como líder da Igreja ocidental, e o chefe da Igreja oriental ficou sendo o patriarca de Constantinopla.

A Igreja ocidental e a oriental discordavam quanto a várias questões religiosas. Elas se desenvolveram afastadas uma da outra durante muitos séculos e em 1054 acabaram se separando. As Igrejas formadas no leste passaram a se chamar Igrejas Ortodoxas Orientais e a ocidental recebeu o nome de Igreja Católica Apostólica Romana.

Os turcos muçulmanos conquistaram a última parte do Império Bizantino em 1453. A Igreja russa, que estava fora do império, foi a única Igreja Ortodoxa que continuou livre do domínio turco. Assim, ela assumiu uma posição de liderança entre todas as Igrejas que seguiam essa fé. Hoje, é a maior Igreja Ortodoxa do mundo.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.