A República das Ilhas Marshall é composta por 29 atóis e cinco ilhas na região central do oceano Pacífico, na Oceania. As ilhas se espalham por uma área de aproximadamente 2.000.000 km2. A capital do país fica no atol de Majuro. Sua população é de 53.800 habitantes (estimativa de 2014) e a área total das ilhas é de 181 km2.

Geografia

Os atóis das Ilhas Marshall são recifes de coral que circundam uma laguna (uma área de água rasa). Eles estão presos ao cume de vulcões submersos. A terra é baixa e plana. O clima é quente e úmido o ano todo.

Flora e fauna

As palmeiras e as árvores de fruta-pão são as principais plantas das Ilhas Marshall. Muitos peixes, golfinhos, polvos e tartarugas vivem nas águas próximas.

População

A maioria da população é micronésia e fala o marshalino, mas o inglês também é comum. O cristianismo é a principal religião. Mais da metade da população vive nos atóis de Majuro e de Kwajalein; o restante mora em vilarejos nas outras ilhas.

Economia

A economia das Ilhas Marshall depende do dinheiro recebido dos Estados Unidos (EUA). Muitas pessoas trabalham na área de testes de mísseis dos EUA, no atol de Kwajalein. Já os habitantes das cidades trabalham para o governo ou no setor de turismo. Nas ilhas que ficam mais afastadas, a pesca e a agricultura são comuns. Há plantações de coqueiros e de árvores de fruta-pão.

História

Os micronésios chegaram às ilhas há mais de 2 mil anos. John Marshall, capitão de um navio britânico, explorou a área em 1788. As ilhas receberam o nome em sua homenagem. Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), os Estados Unidos tomaram-nas do Japão, que as tinha ocupado previamente. Os Estados Unidos passaram a usar os atóis de Bikini e de Enewetak para testar armas nucleares.

A República das Ilhas Marshall conquistou a independência dos Estados Unidos em 1986, mas mantém a condição de estado livre associado: sua segurança interna e sua política de relações exteriores são conduzidas pelos EUA.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.