O Império Romano dominou grande parte da Europa e do norte da África por séculos. Em 395 d.C., esse império perdeu força e dividiu-se em duas partes. A parte ocidental não durou muito: foi conquistada pelos invasores bárbaros em 476. Mas a parte oriental, que ficou conhecida como Império Bizantino, se manteve até 1453. Seu nome deriva da antiga cidade de Bizâncio (atual Istambul, na Turquia), que era a capital do Império Bizantino, então chamada Constantinopla.

Cultura

Em seu apogeu (ou seja, na época em que se encontrava com extensão e força máximas), o Império Bizantino se estendia do Oriente Médio ao sul da Espanha. Era uma vasta área que abrangia as regiões da Europa meridional e do norte da África situadas em torno do mar Mediterrâneo. O povo desse grande império desenvolveu uma cultura original. Os bizantinos usavam pequenos pedaços de pedra para criar painéis coloridos chamados mosaicos e construíam edifícios com grandes cúpulas. Eles adotaram a língua grega em lugar do latim e criaram um novo ramo do cristianismo. Estudiosos bizantinos preservaram a literatura de Roma e da Grécia durante os séculos mais escuros da Idade Média. Em 1054, a Igreja Bizantina separou-se da Igreja Católica Romana e passou a ser conhecida como Igreja Ortodoxa.

Período de Justiniano

Muitos imperadores governaram o Império Bizantino. Um dos mais importantes foi Justiniano I, que reinou entre 527 e 565. No tempo de Justiniano, Constantinopla foi uma cidade de ruas espaçosas e belos edifícios de mármore e alabastro. Nas lojas eram vendidos bens de todo o mundo, como sedas, panos bordados, ouro, especiarias, remédios, pedras preciosas, peles, mel, cera e joias. Foi Justiniano quem mandou construir a majestosa igreja de Santa Sofia (ou Hagia Sophia), que existe até hoje e atualmente funciona como museu.

Além de ter promovido o desenvolvimento de Constantinopla, o imperador implantou o conjunto de leis que ficou conhecido como Código de Justiniano.

Desafios e declínio

Desde a fundação, o Império Bizantino resistiu a muitas invasões. Nos primeiros tempos, povos europeus ameaçaram as fronteiras do império. Os bizantinos também enfrentaram os persas, vindos da Ásia, e os muçulmanos da Arábia. Mais tarde, durante as Cruzadas, cristãos da Europa ocidental atacaram Constantinopla.

Nos últimos séculos de existência, o Império Bizantino perdeu muitos territórios. No século XIV, os turcos muçulmanos tomaram terras em torno de Constantinopla. Em 1453, eles conquistaram a cidade, decretando o fim do Império Bizantino. O nome Constantinopla foi mudado para Istambul, que se tornou capital do Império Otomano.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.