A Inglaterra é a maior das quatro partes que formam o país chamado Reino Unido. As outras partes são Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales. Londres é a capital tanto da Inglaterra quanto do Reino Unido. A área da Inglaterra é de 130.281 km2 e sua população é de 53.013.000 habitantes (censo de 2011).

Geografia

A Inglaterra se situa na ilha da Grã-Bretanha, que fica próxima à costa da Europa ocidental. A Escócia fica no norte da ilha, e o País de Gales, no oeste. O canal da Mancha separa a Inglaterra da França.

Boa parte da Inglaterra é coberta por colinas. Os montes Cambrianos ficam no nordeste e incluem o pico Scafell, que, com 978 metros de altura, é o ponto mais elevado da Inglaterra. Os Peninos, uma cadeia de montanhas baixas, cruzam o país do norte ao centro. As praias são acompanhadas de falésias e baías.

O rio mais longo da Inglaterra é o Tâmisa, que atravessa grande parte do sudeste. Outros rios grandes são o Severn e o Trent. A Inglaterra tem poucos lagos de destaque. O maior deles, Windermere, fica em uma área chamada Lake District, ou Distrito do Lago, no noroeste.

O clima da Inglaterra é chuvoso e temperado. Os invernos são amenos, e os verões, frescos. A chuva cai em todas as épocas do ano.

Flora e fauna

Apenas uma pequena parte do território da Inglaterra é coberta por florestas. Muitas árvores originais foram derrubadas centenas de anos atrás, para o cultivo da terra; outras foram consumidas nas indústrias do ferro e da construção naval. As árvores originais consistiam principalmente de carvalhos, faias, freixos e olmos. Abetos, lariços e pinheiros, de crescimento rápido, foram plantados para substituir essas árvores. No norte e no sudoeste, há urzes, samambaias e gramíneas, dentre elas a grama de algodão. Essas áreas, pouco férteis, geralmente são usadas para o pasto de ovelhas.

Os animais da Inglaterra incluem cervos, texugos, raposas, lontras, esquilos, ouriços, lebres e coelhos. Os pássaros mais comuns são melros, tordos, estorninhos, tentilhões e pardais.

População

A população da Inglaterra é uma mistura de diferentes grupos étnicos, oriundos principalmente da Europa (Alemanha, Dinamarca e França). Os primeiros a habitar a região foram os celtas. Depois, com as invasões, vieram os alemães, os dinamarqueses e os franceses. Há também os oriundos de outros países da Europa, da Ásia, da África e das ilhas do Caribe.

A maioria da população inglesa é cristã. A Igreja da Inglaterra, a anglicana, que é protestante, é a religião oficial do país. Há também grandes grupos de católicos, muçulmanos, siques, hindus e judeus.

A maioria da população inglesa vive nas cidades. A região da Grande Londres, no sudeste, é de longe a maior área urbana. Outras cidades importantes incluem Birmingham, na região central, e Leeds, no nordeste. Liverpool e Manchester são as duas principais cidades industriais do noroeste.

A Inglaterra tem uma longa e importante tradição na produção de literatura e de outras obras de arte. Dentre as figuras literárias de destaque se encontram John Milton, William Shakespeare e Charles Dickens. A música inglesa também sempre foi bastante influente, desde compositores clássicos, como George Frideric Handel e Edwar Elgar, até bandas de rock dos anos 1960 que fizeram sucesso no mundo todo, especialmente Beatles, Rolling Stones e The Who.

Além disso, a Inglaterra influenciou o desenvolvimento de culturas anglófonas (ou seja, falantes de inglês) em muitos países fora do Reino Unido. É também na Inglaterra que ficam as universidades de Oxford e de Cambridge, dois dos mais antigos centros de estudos acadêmicos do mundo.

Economia

O setor mais importante da economia inglesa é o de serviços, nas áreas de turismo, bancos e seguros. Londres é um dos maiores centros financeiros mundiais. Há grandes indústrias de alimentos, produtos químicos, têxteis, computadores, automóveis e aviões. Os maiores cultivos do país são de trigo, cevada, milho, centeio, aveia, canola e batata. Cria-se gado bovino e ovino (carneiros) para a produção de carne e leite.

História

A terra conhecida como Inglaterra é habitada há milhares de anos. Os celtas já viviam ali desde 500 a.C. Depois vieram os romanos. Nos séculos V e VI, três povos do norte da Europa conquistaram a Inglaterra: os anglos, os saxões e os jutos. A língua deles, o anglo-saxão, ou inglês antigo, foi a base do inglês de hoje. A região ficou conhecida como “Angle-land” (“Terra dos Anglos”) e mais tarde se tornou “England” (“Inglaterra”).

Em 1066 ocorreu a Conquista Normanda: os normandos, ramo dos vikings que havia se instalado no norte da França, conquistaram a Inglaterra. A fusão do inglês antigo com o francês dos normandos e sua cultura marca o início da Inglaterra e do inglês modernos. Em 1154, Henrique II subiu ao trono e começou uma nova linhagem de reis, aumentando o território do país.

Os antigos reis disputavam o poder com a Igreja Católica e a nobreza. O rei João foi cruel e impopular. Os nobres então se uniram para limitar seu poder. Em 1215, forçaram-no a assinar um documento chamado Magna Carta. Essa primeira constituição concedeu direitos ao povo inglês. Depois, ainda no século XIII, formou-se o Parlamento, o corpo legislativo.

Durante o reinado de Henrique VIII (1509-1547), os ingleses lançaram-se à conquista do mundo, mas foi no reinado da rainha Elizabeth I (1558-1603) que a Inglaterra tornou-se potência marítima. O poder do país logo se espalhou por outras partes do mundo. Os mercadores ingleses estabeleceram postos de comércio em lugares distantes como a Índia e a América do Norte. Foi justamente a partir do século XVI que o império britânico se expandiu pelo mundo inteiro, incluindo grande parte da África, quase toda a América do Norte, a Índia e várias ilhas ao redor do mundo.

No século XVII, os reis ingleses lutaram contra o Parlamento. Eles não queriam dividir o poder. Esse conflito levou à guerra civil em 1642. O grupo que apoiava o rei lutou contra aquele que apoiava o Parlamento. Venceu o Parlamento. De 1649 a 1660, a Inglaterra ficou sem rei. O líder do Parlamento, Oliver Cromwell, declarado Lorde Protetor do país, governou-o como uma república por onze anos. Em 1660 o poder real voltou, embora mais limitado.

Ao longo de centenas de anos, a Inglaterra gradualmente se apropriou também de territórios vizinhos. O País de Gales foi incorporado à Inglaterra em 1536. Em 1707, a Escócia se fundiu com o País de Gales e a Inglaterra para formar a Grã-Bretanha. Em 1801, a Irlanda foi anexada à Inglaterra, Escócia e País de Gales, constituindo o Reino Unido da Inglaterra e da Irlanda. A maior parte da Irlanda tornou-se república em 1921, mas a Irlanda do Norte permaneceu parte do Reino Unido, que passou a chamar-se Reino Unido da Grã-Bretanha e da Irlanda do Norte.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.