A grande frota de navios de guerra chamada pelos espanhóis de Invencível Armada foi formada na Espanha para atacar a Inglaterra em 1588. Sua derrota diminuiu o poder da Espanha na Europa e também mudou a estratégia das batalhas marítimas.

O rei Filipe II da Espanha lançou-se à guerra por vários motivos. Queria restaurar o catolicismo na Inglaterra protestante, evitar que os ingleses apoiassem a rebelião nos Países Baixos, então domínio da Espanha, e, finalmente, impedir que o capitão inglês Francis Drake continuasse a saquear os navios espanhóis que transportavam tesouros da América para a Espanha. Filipe II pretendia invadir a Inglaterra com 30 mil soldados, mas antes precisava derrotar a marinha de guerra inglesa.

A Armada deixou a Espanha em maio de 1588, com 130 navios e 27 mil homens. Chegou ao canal da Mancha no final de julho e travou algumas batalhas. Em 8 de agosto os ingleses obtiveram uma vitória decisiva. Eles contavam com menos navios, mas tinham canhões de maior alcance. Isso impedia que os espanhóis se aproximassem para atacar as embarcações inglesas.

Sob bombardeio inimigo e fustigada por grandes tempestades, a frota espanhola fugiu para o norte, contornando a Escócia na tentativa de voltar à Espanha. Apenas sessenta navios retornaram.

A derrota dos espanhóis salvou a Inglaterra da invasão. Essa foi a primeira grande batalha marítima da história em que os canhões foram decisivos. Depois dela, e por centenas de anos, navios de guerra armados com canhões dominaram os mares.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.