Jacó foi filho de Isaac e neto de Abraão, membros do antigo povo hebreu que são considerados os patriarcas da nação de Israel. Abraão e seus descendentes se espalharam pela região de Canaã (onde hoje ficam a Palestina e Israel), formando o povo israelita. Essa história está contada no Gênesis, o primeiro livro da Bíblia, o livro sagrado dos judeus. Conforme o texto bíblico, Deus prometeu a terra de Canaã aos descendentes de Abraão, Isaac e Jacó; por esse motivo, a região recebeu, nos textos religiosos dos judeus, o nome de Terra Prometida.

Segundo a história contada no Gênesis, Jacó era irmão gêmeo de Esaú, que era o primogênito – isto é, tinha nascido primeiro. Certo dia, Esaú entrou em casa faminto, e Jacó havia preparado uma boa refeição. O irmão mais velho pediu um prato de comida a Jacó, e este disse que trocaria o alimento pelo posto de primogênito. Esaú aceitou a proposta. Mais tarde, no entanto, ficou arrependido e decidiu matar Jacó. Aconselhado pela mãe, Jacó fugiu para Harã (na atual Turquia).

No caminho, Jacó teve um sonho em que Deus (ou Javé, para o povo hebreu) dizia que a terra onde dormia pertenceria a seus descendentes. Ao acordar, Jacó declarou aquele lugar sagrado, ergueu ali uma pedra e chamou o local de Betel, que significa a “Casa de Deus”. Jacó teve doze filhos, os quais deram origem às doze tribos de Israel, multiplicando o povo israelita.

Foi ao lutar com um anjo que Jacó recebeu o nome de Israel, cujo significado é “o que luta com Deus”. Desse novo nome que lhe foi dado é que se tirou o nome do povo de Israel – assim como o do atual país chamado Estado de Israel, criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) 3 mil anos depois da época em que Jacó teria vivido. O país hoje chamado Israel foi fundado em 1948, depois do Holocausto, ocorrido principalmente durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), mas iniciado antes dela.

O Estado de Israel foi criado num pedaço da Palestina (onde ficava a antiga Canaã), que estava ocupada pelos palestinos, um povo árabe, e isso gerou muitas guerras. Os palestinos não queriam ceder seu território; por outro lado, os israelenses (ou judeus) consideravam que seus territórios nos tempos bíblicos se expandiam por uma área bem maior que a determinada pela ONU. Por isso, alguns deles pretendiam ocupar toda a região correspondente à antiga terra prometida, segundo a Bíblia, a Jacó (ou Israel).

O conflito persiste. Lugares como Hebron, cidade da Cisjordânia localizada a 35 quilômetros de Jerusalém, simboliza essa disputa entre árabes e judeus. Ali está a Tumba dos Patriarcas, onde estariam enterrados Abraão, Isaac e Jacó, os primeiros patriarcas do povo judeu, sendo por isso considerado um dos lugares mais sagrados do judaísmo. É também em Hebron que foi fundada a importante mesquita de Ibraim, o patriarca dos muçulmanos. Ocorre que Ibraim é o nome que os árabes dão a Abraão, que é considerado patriarca ancestral tanto dos judeus como dos árabes.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.