Jean-Baptiste Debret foi um pintor e desenhista francês que produziu uma vasta obra sobre o Brasil, retratando os costumes, o povo e importantes fatos históricos. Sua obra registra a cultura e os costumes do Rio de Janeiro e do Brasil no início do século XIX, representando a vida da população nas ruas e no ambiente doméstico, os indígenas de várias etnias e o trabalho cotidiano, sem esconder o sofrimento dos escravos.

A vinda para o Brasil

Debret nasceu em Paris em 1768 e estudou na Academia de Belas-Artes. Além de ter estudado arte, formou-se professor de desenho na Escola Politécnica. Mas foi como pintor e desenhista que ele se destacou.

Uma de suas premiações mais importantes foi o segundo lugar no Salão de Paris de 1798, com o quadro O general messênio Aristodemo liberto por uma moça.

Produziu grandes quadros que retratam feitos do imperador francês Napoleão Bonaparte, muitos deles por encomenda. Com a queda do imperador e a morte de seu único filho, Debret resolveu deixar a França.

Era o ano de 1816. Debret estava com 48 anos e veio ao Brasil como membro de missão artística francesa, chefiada pelo escritor e político francês Joaquim Lebreton.

Segundo alguns autores, a missão artística francesa foi organizada a pedido de dom João VI, rei de Portugal, com o objetivo de formar no Brasil uma escola de artes semelhante à que existia na França.

Além de Debret, vieram o pintor Nicolas-Antoine Taunay e seu irmão, o escultor Auguste-Marie Taunay, o gravador Charles-Simon Pradier e o arquiteto Grandjean de Montigny. Eles trouxeram mais de cinquenta obras de arte, para dar início à formação de uma pinacoteca (ou galeria de arte) no Brasil.

Obras

Após a independência do Brasil, em 1822, Debret foi contratado como pintor oficial do Império, tendo feito diversos retratos da família real.

Os membros da missão francesa fundaram no Rio de Janeiro a primeira academia de artes do Brasil, a Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios, que em 1824 passou a se chamar Academia Imperial de Belas-Artes.

É da autoria de Debret o desenho da bandeira brasileira com a cor verde e o losango amarelo. Com a proclamação da República, em 1889, a bandeira seria redesenhada, mas a ideia original de Debret foi mantida.

Algumas de suas obras mais importantes são Retrato de dom João VI, em tamanho natural, e Desembarque de dona Leopoldina em 1817, bem como os esboços de Aclamação de Pedro I e Sagração de Pedro I.

Debret permaneceu no Brasil até 1831, pintando e dando aulas na Academia Imperial de Belas-Artes. Foi na academia que Debret organizou a primeira exposição de arte do Brasil, em 1829.

O artista voltou para a França, onde publicou suas gravuras em três volumes intitulados Voyage pitoresque et historique au Brésil ou séjour d’un artiste français au Brésil (Viagem pitoresca e histórica ao Brasil ou estada de um artista francês no Brasil), entre 1834 e 1839.

Jean-Baptiste Debret morreu em Paris, no dia 11 de junho de 1848.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.