João de Barro é o pseudônimo de Carlos Alberto Ferreira Braga, conhecido também como Braguinha. Muitos artistas e escritores usam pseudônimos, ou seja, nomes falsos, quando não querem revelar seu nome verdadeiro.

Um dos mais importantes compositores da música popular brasileira, ficou famoso principalmente por suas marchinhas de Carnaval, “Pirata da perna de pau”, “Chiquita Bacana”, “Touradas de Madri”, “Pastorinhas” e “Yes, nós temos banana”, compostas nas décadas de 1930 e 1940 e que até hoje fazem sucesso nos bailes de Carnaval.

Carlos Alberto Ferreira Braga nasceu no Rio de Janeiro, em 29 de março de 1907, e morreu na mesma cidade, quase cem anos depois, em 24 de dezembro de 2006. Adotou o pseudônimo João de Barro quando passou a integrar o conjunto Bando dos Tangarás, ao lado de Noel Rosa e Almirante (Henrique Foréis Domingues), para não expor o nome da família, de classe média. Na época, ser músico popular não era uma profissão considerada respeitável.

Estudou alguns anos de arquitetura, na Escola Nacional de Belas Artes, antes de abandonar tudo para ser apenas compositor. Os primeiros sucessos surgiram no carnaval de 1933, com as marchas “Moreninha” e “Trem blindado”, ambas interpretadas por Almirante. Em 1937, criou a letra de “Carinhoso”, música composta por Pixinguinha vinte anos antes, que ganhou mais de cem gravações nas vozes de Ângela Maria, Dalva de Oliveira, Gilberto Alves, Elis Regina, João Bosco, entre muitos outros.

Na década de 1940, João de Barro fez dublagens para filmes de Walt Disney e adaptações musicadas para histórias infantis, como Branca de Neve e os sete anões e Chapeuzinho Vermelho, com músicas de Radamés Gnattali, que chegaram a vender 5 milhões de cópias.

João de Barro nunca estudou música nem tocou nenhum instrumento; ele compunha assobiando a melodia. Apesar disso, compôs e assinou versões de cerca de quinhentas músicas, gravadas por praticamente todos os grandes nomes da era do rádio: Mário Reis, Silvio Caldas, Francisco Alves, Carmen Miranda, Dircinha Batista, Orlando Silva. Entre os seus muitos sucessos, estão as músicas “Balancê”, “A saudade mata a gente”, “Copacabana” e a singela “Capelinha de melão”, algumas gravadas nos Estados Unidos, como “Chiquita Bacana”, “Touradas de Madri” e “Copacabana”.

João de Barro foi diretor artístico da gravadora Columbia (futura Continental) e, em 1965, fundou a gravadora Todamérica. No cinema, escreveu argumentos, roteiros e compôs canções para uma série de filmes entre 1935 e 1956, como “Alô, alô, carnaval” e “Laranja da China”.

Em 1984, ano em que o Sambódromo do Rio de Janeiro foi inaugurado, a escola de samba Mangueira ganhou o carnaval tendo o compositor como tema de seu desfile.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.