Machado de Assis foi um escritor do século XIX que é considerado, por muitos críticos, o maior autor da literatura brasileira de todos os tempos. Também é considerado um dos principais escritores que o mundo já conheceu.

Como viveu o escritor

Joaquim Maria Machado de Assis nasceu no Rio de Janeiro, no dia 21 de junho de 1839. Seu pai foi Francisco Manuel José de Assis, um pintor de paredes mulato e descendente de escravos. Sua mãe foi Maria Leopoldina Machado, uma lavadeira nascida na ilha de São Miguel, no arquipélago dos Açores, em Portugal. Sua família morava como agregada numa chácara, no Rio de Janeiro.

Machado de Assis era gago, tinha epilepsia e perdeu a mãe e uma irmã muito cedo. O pai casou-se de novo, mas morreu quando ele estava com 12 anos. Vivendo com a madrasta, que trabalhava num colégio em São Cristóvão, um bairro do Rio de Janeiro, ele a ajudava a vender doces para os alunos. Esse foi o seu jeito de freqüentar a escola, pois conheceu alunos e professores e se aproximou dos livros. Nunca fez os estudos regularmente, mas, como gostava de ler e escrever, progrediu no aprendizado. Ainda bem jovem, começou a trabalhar na tipografia da Imprensa Nacional.

O diretor da tipografia era o escritor Manuel Antônio de Almeida. Ali Machado conheceu também outros autores, como Casimiro de Abreu e José de Alencar. Trabalhou também como revisor de textos.

Aprendeu francês, inglês e alemão. Aos 21 anos já traduzia livros e escrevia poemas e peças de teatro. Seus primeiros textos teatrais foram a comédia Desencanto e a sátira Queda que as mulheres têm para os tolos. Publicou contos, crônicas e críticas literárias nos principais jornais e revistas do Rio de Janeiro.

Ao mesmo tempo, fez carreira como funcionário público no Diário Oficial, jornal de notícias administrativas do governo. Teve cargos no Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas e no Ministério do Comércio.

Em 1904, ficou viúvo de Carolina Augusta Xavier de Morais, portuguesa, com quem havia se casado em 1864. A tristeza e a solidão abalaram sua saúde. Morreu no Rio de Janeiro, no dia 29 de setembro de 1908, com 69 anos.

Obras

A obra de Machado de Assis é bastante extensa. Escreveu nove romances, nove peças teatrais e duzentos contos, além dos poemas e das crônicas.

Seus romances são Ressurreição (1872), A mão e a luva (1874), Helena (1876), Iaiá Garcia (1878), Memórias póstumas de Brás Cubas (1881), Quincas Borba (1891), Dom Casmurro (1900), Esaú e Jacó (1904) e Memorial de Aires (1908). Entre os contos, alguns dos mais conhecidos são “Missa do galo”, “O espelho” e “O alienista”.

Seu romance mais popular é Dom Casmurro, que já teve adaptações para o cinema, o teatro e a televisão. A obra conta a história de Bento Santiago, apelidado de Dom Casmurro. Já idoso, o personagem relembra os acontecimentos de sua vida, na tentativa de compreender melhor seu passado e seu relacionamento com a mulher, Capitu, já morta. O romance alcançou sucesso imediato e até hoje é lido e admirado.

Características da obra

As primeiras obras de Machado de Assis foram românticas; no romantismo, os escritores idealizavam os sentimentos e as atitudes dos personagens. Depois, numa segunda fase, tornaram-se realistas — isto é, procuravam apresentar a realidade como ela é. Ele foi o escritor que introduziu o realismo na literatura brasileira. Suas obras principais são desse período. Tem admiradores no mundo inteiro, sendo considerado entre os melhores escritores do mundo.

Machado de Assis empenhou-se na criação da Academia Brasileira de Letras, fundada oficialmente em 1897, e foi eleito seu primeiro presidente.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.