Johann Moritz Rugendas foi um pintor e desenhista alemão que viveu muitos anos no Brasil e retratou as paisagens e o povo brasileiros da primeira metade do século XIX.

Ele nasceu em Augsburgo, na Alemanha, no dia 29 de março de 1802. Era de uma família de pintores e gravadores e foi seu pai quem o ensinou a desenhar e pintar. Depois, continuou os estudos na Academia de Belas-Artes de Munique.

Rugendas chegou ao Brasil em 1821, com 18 anos de idade, contratado como desenhista da expedição científica organizada pelo naturalista e diplomata russo Georg Heinrich von Langsdorff, o barão de Langsdorff.

A Expedição Langsdorff

No século XIX, diversas expedições artísticas e científicas percorreram o território brasileiro.

O objetivo era conhecer, registrar e catalogar a geografia, os recursos minerais, a fauna, a flora, a população e os costumes do Brasil. Para isso, as expedições contavam com botânicos, zoólogos, astrônomos e desenhistas, além de guias, caçadores e escravos.

Uma dessas expedições foi a Missão Austríaca (1817-1820), da qual participaram o médico e botânico Johann Baptist von Spix e o zoólogo Carl Friedrich Philipp von Martius, ambos alemães.

Outra importante expedição foi a do barão de Langsdorff. Em 1821, o barão, que era cônsul-geral da Rússia no Rio de Janeiro, obteve financiamento do czar (imperador) russo para organizar uma viagem científica pelo interior do Brasil.

A expedição de Langsdorff se estendeu de 1824 a 1829, percorrendo Minas Gerais, São Paulo, a região Centro-Oeste e a Amazônia. Além de Rugendas, contou com a participação dos artistas Aimé-Adrien Taunay (filho de Nicolas Taunay, que participara da Missão Artística Francesa no Brasil) e Hercule Florence.

Produção artística

Depois de alguns meses de viagem, Rugendas desentendeu-se com Langsdorff e decidiu abandonar a expedição. Continuou a viagem por sua própria conta até 1825.

Rugendas produziu desenhos e aquarelas, retratando paisagens, cenas cotidianas, costumes e a diversidade da população brasileira, sempre fazendo anotações sobre o que encontrava. Compôs assim um importante documento sobre o Brasil do início do século XIX.

Reunida sob o título Viagem pitoresca através do Brasil, a obra de Rugendas foi publicada na França em 1835 e no Brasil mais de um século depois, em 1940.

Entre 1831 e 1834, Rugendas percorreu o México. Nessa fase, começou a utilizar a pintura a óleo, tendo produzido cerca de quinhentos desenhos e mais de trezentas pinturas a óleo de grande valor como obra de arte e como registro histórico de uma época.

Em sua trajetória artística, Rugendas recebeu grande influência do naturalista alemão Alexander Humboldt. Para Humboldt, a pintura deveria retratar ao mesmo tempo todos os aspectos de uma paisagem: topografia, flora, fauna e população.

Nas pinturas que fez no México, Rugendas aplicou essa diretriz: fazia um registro inicial da paisagem e depois, em seu ateliê, acrescentava a figura humana e a vegetação do lugar.

Rugendas viveu também no Chile (1834-1842), onde publicou o Álbum de trajes chilenos (1838). Percorreu ainda a Argentina, o Peru, a Bolívia e o Uruguai.

Em 1846, com 40 anos de idade, voltou definitivamente para a Europa, depois de uma breve temporada de um ano no Rio de Janeiro, durante a qual retratou membros da família imperial. Rugendas morreu em Weilheim, na Alemanha, no dia 29 de maio de 1858.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.