José Saramago foi um escritor português que ganhou o Prêmio Nobel de Literatura de 1998. Seu livro Ensaio sobre a cegueira (1995), ganhou uma versão cinematográfica de sucesso, em 2008, dirigida pelo brasileiro Fernando Meirelles.

Nascido no dia 16 de novembro de 1922, em Azinhaga, em Portugal, Saramago era filho de trabalhadores rurais e teve infância pobre. Depois de trabalhar em atividades manuais, como mecânico e serralheiro, Saramago começou a trabalhar em uma editora de Lisboa e, algum tempo depois, tornou-se jornalista e tradutor. Uniu-se ao Partido Comunista Português em 1969, publicou diversos volumes de poemas e atuou como editor em um jornal de Lisboa entre 1974 e 1975, durante o renascimento cultural que se seguiu à derrubada da ditadura de António Salazar. Uma reação anticomunista veio na sequência, e Saramago perdeu seu cargo.

Já com mais de cinquenta anos de idade, tornou-se escritor de romances e conseguiu, com o tempo, estabelecer uma reputação internacional.

Um dos mais importantes romances de Saramago é Memorial do convento (1982). Tendo Portugal do século XVIII (durante a Inquisição) como pano de fundo, a história relata os esforços de um veterano de guerra aleijado e de sua amante para abandonar a situação em que vivem usando uma máquina de voar movida a tração humana. Saramago alterna sua fantasia alegórica com descrições realistas da construção do Convento de Mafra por milhares de trabalhadores que prestavam serviços para o rei dom João V.

Outro romance de realização irretocável é O ano da morte de Ricardo Reis (1984). Nessa obra, justapõe os envolvimentos românticos do narrador (que é um dos heterônimos do poeta português Fernando Pessoa), que regressa a Portugal no início da ditadura de Salazar, com longos diálogos que analisam a natureza humana, revelada na história e na cultura portuguesas.

O romance A jangada de pedra (1986, transformado em filme em 2002) explora as situações que se seguem ao fictício rompimento da península Ibérica da Europa, tornando-se uma ilha. O evangelho segundo Jesus Cristo (1991) coloca Cristo como um inocente, apanhado pelas maquinações de Deus e de Satanás. Nesses dois romances, Saramago continua sua prática de contar parábolas em panos de fundo históricos e realistas, a fim de comentar ironicamente as fraquezas humanas.

Entre os romances de Saramago também estão Manual de pintura e caligrafia (1976) e outros trabalhos subsequentes, como História do cerco de Lisboa (1989), Todos os nomes (1997), O homem duplicado (2002) e As intermitências da morte (2005). Ensaio sobre a cegueira (1995) e Ensaio sobre a lucidez (2004) são livros que se completam. Seus últimos romances foram A viagem do elefante (2008) e Caim (2009).

Saramago também escreveu poesia, peças de teatro, ensaios e contos, além de trabalhos autobiográficos. Suas memórias, As pequenas memórias (2006), têm como foco sua infância. Quando recebeu o Prêmio Nobel, em 1998, suas obras eram largamente lidas na Europa e no Brasil, mas menos conhecidas em outros países, como os Estados Unidos. A partir de então, passou a ser reconhecido em todo o mundo. José Saramago foi o primeiro escritor de língua portuguesa a receber o Prêmio Nobel.

O escritor morreu em 18 de junho de 2010, em Lanzarote (nas ilhas Canárias, na Espanha), onde vivia.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.